O Brasil está virando o rei do veneno

E haja veneno, para acabar com a natureza e a saúde da população.  Do Brasil, de Pernambuco, do Recife. Desde 2010, nada menos de 1.751 agrotóxicos foram liberados para o mercado no país. Com os 290 que tiveram autorização nos sete primeiros meses da atual gestão federal, aquele número já ultrapassa 2000, um verdadeiro descalabro. Ou seja, é cada dia mais grave a situação do meio ambiente no Brasil. Com isso, também fica cada vez mais frágil a saúde da Nação.

E o que dizer dos milhões de lavradores que atuam na agricultura, em contato direto com substâncias tóxicas que até já são proibidas em outros países? Sinceramente, dá vontade de chorar. Como se não bastasse tentar tapar o sol com a peneira – quando o assunto é desmatamento na Amazônia – a gestão federal bateu todos os recordes quanto à liberação de agrotóxicos, quando computados dados a partir de 2010. Os 290 produtos já autorizados pelo Governo Bolsonaro em 2019 representam quantidade bem superior à registrada no mesmo período de 2018 quando 229 foram autorizados. Até então, maior número de liberações do  período havia sido em 2017. E tome veneno na boca da humanidade.

Hoje em dia nem precisa de um copo de veneno. É só comprar alface (Karina Buhr, durante apresentação no Festival de Inverno de Garanhuns).

A denúncia sobre o silencioso envenenamento da população brasileira é do Greenpeace, que acusou a liberação de mais 51 nessa segunda-feira (22), enquanto há mais de 50 venenos na fila, aguardando aprovação. Pelo andar da carruagem, deve ser liberado tudinho. O Greenpeace fez o levantamento de liberações em anos anteriores, com números comparativos de janeiro a julho. E a gestão atual já pode ser considerada a rainha do veneno.  Veja os números de autorizações consumadas em uma década, nos sete primeiros meses de anos anteriores. Foram 229 (2018), 195 (2017), 103 (2016), 86 (2015), 61 (2014), 66 (2013), 93 (2012), 61 (2011) e 45 (2010). Pior: dos 51 produtos liberados hoje, nada menos de 18 são classificados como extremamente ou altamente tóxicos. Ou seja, muitíssimo danosos para quem o manipula e para quem come alimentos contaminados. Pelo sim pelo não, evite comprar produtos de procedência duvidosa e dê preferência às feiras orgânicas. No Recife, elas são muitas.

“O governo inicia o segundo semestre da mesma forma que começou o ano – de mãos dadas com veneno. Já são quase 300 agrotóxicos aprovados este ano, ameaçando ainda mais nossa saúde e o meio ambiente. Somente neste último ato, 51 novos produtos foram aprovados. Podemos produzir sem agrotóxicos, em equilíbrio com o meio ambiente e respeitando a saúde das pessoas. Porém, as decisões do governo no tema ignoram isso e colocam o povo brasileiro em risco. Isso é inaceitável”, afirma Iran Magno, da campanha de Alimentação e Agricultura do Greenpeace. De acordo com o Greenpeace, nada menos de 32 por cento dos agrotóxicos liberados até agora são proibidos na União Europeia. E perguntar não ofende: as pessoas são eleitas para defender à população, ou para cometer um genocídio com excesso de veneno?. Para acessar a lista completa de produtos aprovados, entre no link: www.greenpeace.org.br/hubfs/Campanhas/Agricultura/agrotoxicos/agrotoxicos-2019.pdf 

Leia também:
Fome no Brasil é uma grande mentira?

Cuidado, armas à vista. Perigo!
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Mar: mais plásticos do que peixes em 2050
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa
Conservação da natureza em debate
Como neutralizar as mudanças climáticas?
As matas de cimento de Paulista
Árvores viram carvão no Sertão
#JuntospelaBioDiversidade
Paulo Câmara: Não vamos admitir retrocesso na área do meio ambiente 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Zef Wu/ Pixabay/ Internet

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.