Violeiros, cantadores e poetas em Feira

Bandas de pífanos e violeiros (representados nos bonecos de barro da foto), aboiadores, poetas populares, cantadores, contadores de história. Tudo junto em um lugar só. Será, assim, a 1ª Feira da Poesia do Pajeú, que tem início hoje, em São José do Egito. É verdade que a distância entre a cidade sertaneja e a capital não é pequena. Mas mesmo assim, tem um montão de gente aqui no Recife que já aprontou as malas, para curtir a festança, que ocorre entre os dias 18 e 29 de julho, naquele município sertanejo. O evento é promovido pela Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) e se  realiza na Rua João Pessoa,  no centro de São José do Egito, a 400 quilômetros do Recife.

O objetivo do encontro, que será regado a cantoria, é difundir a produção cultural do Sertão do Pajeú, tradicionalmente fértil quanto o assunto é poesia popular. “Essa feira é uma grande oportunidade de eternizar a poesia do Pajeú, que já possui reconhecimento nacional e internacional, e incentivar ainda mais a produção da poesia”, afirma o secretário de Cultura de São José do Egito, Henrique Marinho, cuja cidade é conhecida como capital nordestina da poesia.  A exemplo de São José do Egito, os  17 municípios que compõem o Sertão do Pajeú também se destacam pela produção poética. Da região são conhecidos nomes como Lourival Batista Patriota (1915-1992),  Manoel Filó (1930 – 2005) e Dedé Monteiro (Patrimônio Vivo de Pernambuco desde 2016). Louro era de São José do Egito, Filó nasceu em Afogados da ingazeira, e Dedé Monteiro é de Tabira.

O Presidente da Cepe, Ricardo Leitão, informa que será publicado um livro com as glosas do encontro. Também há esforço, na Feira, para preservar  a xilogravura, técnica dominada por um número cada vez menor de pessoas. “Nossa proposta é também estimular a formação de novos xilogravuristas, com publicação anual da produção do conteúdo da feira”, adianta Leitão. Ele informa que será criado um conselho editorial sobre a poesia popular do Pajeú que definirá anualmente três publicações sobre poesia e outras dez em literatura de cordel. Durante a feira será lançado ainda o livro de poesias vencedoras do Concurso de Poesia Popular de São José do Egito – Poesias Premiadas – Volume 1, que selecionou poesias nas categorias Quadras, Sextilhas, Sete linhas, Décimas e Décimas com mote. O dinheiro arrecadado com a venda da publicação financiará o custeio da próxima edição do concurso.



Leia também:
Festival movimenta Sertão dos Poetas
Duas costureiras e dois maridos: um cangaceiro e um gay
Filme gratuito na Academia Pernambucana de Letras
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Livro conta lendas do Sertão
Memórias afetivas, praia do Sertão, rendas de bilro e primeiro amor
O Sertão no Coração de Pedra de Carol
No Sertão, na trilha de Lampião
O bode dançarino do Sertão
É sempre tempo de reisado no Sertão
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais

Serviço:
O quê: 1ª Feira de Poesia do Pajeú
Onde: Rua João Pessoa, São José do Egito, Pernambuco
Quando: 18 a 20 de julho
Horário: abertura às 14h do dia 18/7 e programação a partir das 8h, na sexta (19) e sábado (20)
Quanto: evento aberto ao público

PROGRAMAÇÃO DA FEIRA DE POESIA POPULAR DO PAJEÚ
18/07 (quinta-feira)
14h – Oficina de xilogravura sustentável e oficina de estêncil
16h – Abertura da exposição Pelos Sertões, do artista Marcos Pê
16h – Acolhida Banda de Pífano Riacho do Meio
17h – Diálogo Os caminhos da poesia na região do Pajeú, com Antônio José de Lima e Antônio Marinho
18h – Mesa Literatura e Educação: propostas, concepções e experiências, com Alessandra Ramalho, Aparecida Izídio e Eduarda Simone19h – Recital infantil da Ingazeira, com Ingrid Laís, Islany Maria e Jayne Marília
19h15 – Recital Infância Rimada
19h45 – Aboio com Paulo Barba e Jairinho Aboiador
20h – Mesa de Glosa com Alexandre Morais (Afogados da Ingazeira), Gislândio Araújo (Brejinho), Lima Jr. (Tuparetama), Lucas Rafael (São José do Egito), Milene Augusto (Solidão), Zé Carlos do Pajeú (Tabira)
21h30 – Abertura: Em Canto e Poesia (Participação: Tonfil)

19/07 (sexta-feira)
8h – Oficina de xilogravura e oficina de estêncil
16h – Contação de histórias sobre o livro Dianimal (Cepe Editora) com Alexandre Revoredo
17h – Bate-papo sobre o Conselho Editorial da Cepe com Tarcísio Pereira
18h – Mesa da Revista Continente (Cepe) sobre Mulheres poetas do Pajeú
19h – O escritor Homero Fonseca declama A chegada de Bibiu no céu
19h – Apresentação da dupla de violeiros Adelmo Aguiar e Denilson Nunes20h – Mesa de Glosa com Anderson Brito (Tabira), Francisca Araújo (Iguaracy), Genildo Santana (Tabira), Lenelson Piocó (Itapetim), Wellington Rocha (Afogados da Ingazeira), Tiago Gomes (Afogados da Ingazeira)21h30 – Forró Rimado A Cristaleira

20/07 (sábado)
8h – Oficina de estêncil
16h – Contação de histórias do livro Uma festa na floresta (Cepe Editora), com Suzana Moraes
17h – Palestra Xucuru: a raiz-forte da poesia do Vale do Pajeú, com Lindoaldo Campos
18h – Mesa Manoel Filó: o poeta de todos os lugares, com Ciro Filó, Ricardo Moura e Jorge Filó
19h30 – Lançamento do livro Concurso de Poesia Popular de São José do Egito – Poesias Premiadas – Volume 1
20h – Mesa de Glosa com Aldo Neves (Tuparetama), Elenilda Amaral (Afogados da Ingazeira), Erivoneide Amaral (Afogados da Ingazeira), Henrique Brandão (Serra Talhada), Zé Adalberto (Itapetim), Zezé Neto (São José do Egito)
21h30 – As Severinas

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Letícia Lins ( meramente ilustrativa, de violeiros e bandas de pífanos em cerâmica de Caruaru)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.