Aves são liberadas no Sertão

Vítimas de tráfico de animais silvestres – ação criminosa que não dá trégua para bicho nenhum – 169 aves típicas do Bioma Caatinga  acabam de retornar à natureza. Viva! Elas foram liberadas, depois repatriadas para Pernambuco e de períodos de acompanhamento em São Paulo e no Recife. Já estão livres e voando pelo Sertão.

Elas foram liberadas por equipe do Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), em área rural do município de Salgueiro. Mais precisamente na Fazenda Mulungu, parceira do órgão ambiental em ações voltadas para a preservação das espécies.

A nova soltura incluiu 27 galos-de-campina, 27 patativas, 15 cravinas, 15 canários-da-terra, 10 tico-ticos, 4 papa-capins e 4 rolinhas-caldo-de-feijão, entre pássaros de outras espécies.  A grande maioria fez parte do repatriamento de março desde ano, quando o Cetas Tangara acolheu 186 animais silvestres vindos do Sudeste – 165 aves e 21 iguanas – encaminhados pelo Centro de Recuperação de Animais Silvestres (CRAS-PET), órgão do Governo do Estado de São Paulo, onde estavam sendo acompanhados. Havia no grupo alguns pássaros de entrega voluntária, mas  poucos.

Veja o vídeo da Cprh sobre o retorno dos pássaros à vida selvagem, e dê viva à natureza.

Leia também:
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Festival de Aves no Sul da Bahia
Abaixo as gaiolas: liberdade para as aves
Quase 6000 aves resgatadas em 2017
Aves cativas ganharão a liberdade
Pássaro na gaiola rende multa
O triste fim das arribaçãs na caatinga
Depois do tráfico, o repatriamento
Mais um bebê que cai do ninho 
O tempo bom do João-de-barro 
A Tim e o ninho tecnológico do carcará

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto e vídeo: Divulgação  Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.