Teatro de resistência no Bar Mamulengo

Figura tarimbada nos palcos pernambucanos – tanto pela sua história quando pelo seu talento – o ator Cláudio Ferrário marca presença a partir das 20h da noite da quinta-feira (11/07), no Bar Teatro Mamulengo, no Bairro do Recife, onde faz apresentação solo da peça Martelada, com a qual mergulha  nos conflitos de um velho Mateus de cavalo marinho, que se encontra afastado da brincadeira que tanto amou e que foi uma das razões de seu viver.

A peça integra o Projeto Marsenal, que também reúne o Coletivo Violetas da Aurora (de palhaças). O objetivo é ocupar o Bar Teatro, sempre às quintas, com apresentações independentes (que não contam com financiamento público).  O Bar Mamulengo já é conhecido por abrir espaço, sempre, para diversas manifestações de arte, movimentando a Praça do Arsenal. E talvez seja essa uma das razões pela qual o bar se mantém vivo, ao contrário de outros que têm carreira efêmera naquela área do Bairro do Recife.

A narrativa de Martelada foi construída após andanças por quatro cidades da Zona da Mata, área culturalmente muito rica e onde há concentração de folguedos que praticamente já desapareceram em outras regiões do Nordeste.  Na peça, Ferrário faz uma viagem abstrata em que o Mestre Martelo afirma ter ido três vezes ao inferno. O Martelo da ficção que inspirou Cláudio, no entanto, existe no plano real. É o Mateus do Cavalo Marinho Estrela de Ouro, de Condado, município localizado a 72 quilômetros do Recife. O texto é do próprio ator.

De acordo com o ator, a peça é uma ode às pessoas que guardam as tradições do passado e as repassam pela história oral. “Em tempos de repressão, cabe à arte colocar-se como instrumento de resistência. Fazer teatro no Brasil sempre foi um ato de resistência”, afirma o ator. “E agora, mais do que nunca. Sem nenhum incentivo nem apoio, Martelada nasce, portanto, antes de tudo do desejo de resistir”. Infelizmente não poderei comparecer, pois tenho compromisso agendado anteriormente no horário. Mas já estou pronta para assistir outras edições da peça, e prestigiar o exemplo de resistência em que se transformaram os protagonistas do teatro pernambucano e o próprio Bar Mamulengo.

Leia também:
Violetas da Aurora em mesa de glosas
As palhaçadas das “Violetas da Aurora”
Bernarda Soledade no Cais do Sertão
Projeto Fábrica discute a violência no Teatro Apolo com #Urbana
Bonecos fazem a festa em Casa Forte
Virada Cultural pelo Teatro do Parque
Educativo, Teatro Móvel chega ao Recife
Teatro de graça em Camaragibe
Fotógrafos documentam mamulengos
Que tal lutar pelo teatro e também pelo Hotel do Parque?
Coletivo Bárbara Idade: teatro gratuito

Serviço:
Martelada, com Cláudio Ferrário
Local: Bar Teatro Mamulengo  (Rua da Guia, 211, de frente para a Praça do Arsenal)
Dia: 11 de julho às 20h
Duração: 60 minutos
Ingressos: no chapéu

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Ricardo Lima/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.