Jardim Secreto: união, força e resultado

O Quem de hoje é para a turma da foto, e todos os voluntários que ajudam nessa história que vou contar. Nada tão certo como o velho ditado “a união faz a força”. Pois foi a união dos moradores do Poço da Panela que transformou um  terreno de 3.000 metros quadrados  em horta, pomar e jardim. Embora à margem do Rio Capibaribe, a área vivia abandonada e praticamente funcionava como um lixão, pois acumulava todos os tipos de detritos: metralhas, móveis velhos, até animais mortos. Acompanhei desde o começo a batalha do coletivo que decidiu recuperar o espaço, transformando-o em ponto de convivência e exemplo de cidadania. Assisti às primeiras reuniões, o primeiro mutirão, as discussões sobre o melhor uso do local. Vi os caminhões saindo de lá carregados de lixo. Estive na festa do primeiro aniversário. E voltei no domingo, para participar da festa com que o Jardim Secreto do Poço da Panela comemorou os dois anos de implantação.

De 2017 para 2019, a mudança é radical e contamina moradores de bairros vizinhos, que se oferecem para participar do voluntariado. Com o aproveitamento do terreno, chegaram apoios do poder público e também da iniciativa privada. Foi o caso da doação de equipamentos que serviram à última edição da Casa Cor, naquilo que foi considerado o “primeiro transplante urbano” do Recife. A doação incluiu: bicicletário, piso, bancos, hoje integrados à paisagem. Caso eles fossem comprados, os “jardineiros” teriam pago não menos de R$ 100 mil à Concrepoxi Artefatos. A doação foi intermediada pela Secretaria de Inovação Urbana do Recife.

E boa ação chama boa ação. Há, também, o caso de uma construtora que está implantando um empreendimento na Rua Marquês de Tamandaré. E que promete que o terreno dos fundos do condomínio, à margem do Capibaribe, funcionará como uma espécie de extensão do Jardim Secreto, se integrando não só à iniciativa dos moradores como aproveitando a bela paisagem ofertada pelo Rio Capibaribe que, mesmo poluído, não perde a beleza do seu sinuoso traçado natural. O Jardim Secreto tem, ainda, um outro aspecto que considero da maior importância: a integração entre as comunidades que ficam às margens do Rio Capibaribe.

De um lado, o bucólico, sofisticado, histórico e tradicional Poço da Panela. Do outro lado, comunidades populares (Cobocó, Skylab, Alto do Céu entre outras), formadas em sua maior parte por pessoas que vivem de biscates e que, tradicionalmente tinham no rio um meio de vida, coisa hoje difícil, devido à pesca, cada dia mais escassa. Um dos elos de ligação entre as duas comunidades é Pai, o barqueiro cuja renda vem dos passageiros que fazem a travessia do rio. A cada dia, o intercâmbio entre as duas comunidades é maior, inclusive com um saldo de eventos, realizados do outro lado do Capibaribe. Como o apoio levado a Dona Biu que, espelhada pela experiência dos moradores do Poço começou a fazer um jardim na comunidade onde reside. As gentilezas urbanas não ficam só nisso: já houve bazar solidário, oficina de culinária sustentável e outras iniciativas, do outro lado do Rio. Em compensação, na festa de comemoração dos dois anos do Jardim Secreto, a participação de Pai foi fundamental: ele trouxe não só o pau-de-sebo, como armou a fogueira com a qual foi encerrada a festa.

Confira o vídeo da festa realizada no domingo, no Jardim Secreto:

 

Leia também:
História do Jardim Secreto para crianças 
Sementes que brotam na Zona Norte
Mutirão dá início ao Jardim Secreto
Jardim Secreto faz um ano com festa
Primeiro transplante urbano do Recife é no Jardim Secreto
Mutirão dá início ao Jardim Secreto
Gentilezas urbanas do outro lado do rio
A felicidade coletiva do Jardim Secreto
Jardim Secreto faz festa no Poço 

Texto e vídeo: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Jardim Secreto/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.