“Com o coração se faz uma canção”

Músico, professor, compositor e produtor, Guga Oliveira trabalha há pelo menos duas décadas com pessoas que têm algum tipo de deficiência intelectual. Em Pernambuco, ele é uma referência nesse tipo de iniciativa com a qual alcança excelentes resultados.  Margareth Zimmerle é socióloga e atua há pelo menos 30 anos no segmento de pessoa com deficiência, com ênfase em educação especial inclusiva. Marido e mulher, os dois são parceiros no amor e também no belíssimo trabalho que executam.  Ela criou o Projeto Encontro, através do qual estimula as habilidades dos jovens,  inclusive no que diz respeito à música. A dedicação da dupla já possibilitou a formação de uma banda formada só por pessoas com múltiplas deficiências, que inclusive fez uma bela apresentação em 2018.

Agora os dois dão início a um novo projeto, lindo, também: Com o coração se faz uma canção. Na verdade, uma oficina que tem início no dia 6 de julho, reunindo não só a garotada do Projeto Encontro mas  também  alguns outros que queiram participar. Só um lembrete: a oficina é destinada ao público com deficiência intelectual. E visa a iniciação, criação e desenvolvimento poético musical através de canções criadas em grupo, durante o curso. Serão trabalhados rima, criatividade, senso rítmico e melódico. Margareth  estimulará e orientará quanto a versos e rimas. Guga, com a melodia.  O custo da oficina é R$ 200 por pessoa. Ela terá a duração de oito horas, durante quatro sábados (06, 13, 20 e 27). Será na Uninassau, na Capunga.  E o melhor vem agora.

É que é objetivo específico do curso é criar  um CD “EP”(em torno de 06 músicas), que será lançado em plataformas digitais (YouTube, Deezer, etc). Posteriormente e com patrocínio, deve ser lançado em formato físico. O CD será de músicas autorais, compostas pela equipe envolvida na sala de aula, com orientações dos professores.” Serão escolhidas  as músicas mais interessantes que forem compostas na Oficina, e teremos o primeiro CD composto  por um grupo de pessoas com deficiência intelectual”, orgulha-se Margareth.  E com muita razão, não é não? As vagas são limitadas, e a segunda turma já está quase fechada.  Contatos e informações: 998747375/9954-2679

Leia também:
Caminhada para cadeirantes fez sucesso
A luta por inclusão e acessibilidade
Renata Tarub: dança e inclusão social
Jovens da Apae mostram seus talentos
O “ser humano encantado do frevo”
O frevo inclusivo de Werison
Esplendor e cinema para cegos
Festa inclusiva no Parque da Jaqueira
Com respeito construímos a igualdade
Bruno, exemplo a ser seguido
Bruno, exemplo para todos
Encontro na estrada: passeio inclusivo

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.