Exposição conta história da “Rainha do Recife” no Convento do Carmo

Com a preparação do novenário iniciada desde a segunda feira (1/7), Nossa Senhora do Carmo mobiliza milhares de fiéis nesse mês, com festa a Ela dedicada, e cuja 323ª edição acontece entre os dias 7 e 16 de julho, quando haverá procissão pelas ruas do Centro. Em 2019, os católicos têm mais um motivo para celebrar a Padroeira do Recife. É que neste ano comemora-se o centenário da coroação canônica da imagem da Mãe do Carmelo, Rainha do Recife e de Pernambuco. Quando a distinção foi concedida,  apenas quatro outras imagens no mundo já a haviam recebido.

Diante da data histórica, os devotos contam  um evento a mais esse ano: a exposição não só sobre os últimos 100 anos da Santa no Recife mas também a respeito da trajetória da ordem carmelita, desde o século 16 (por volta de 1580), quando chegaram os primeiros frades ao Brasil.  A exposição fotográfica Rainha de Pernambuco: Uma Memória da Coroação Canônica de Nossa Senhora do Carmo está em cartaz no andar térreo do Convento dos Carmelitas, ao lado da Basílica do Carmo. São  40 fotografias, documentos  históricos, revistas e jornais, e até quadro retratando a coroação canônica,  assinado pelo vitralista, pintor e arquiteto alemão radicado no Brasil, Heinrich Moser (1886-1847).

Moser morou em Pernambuco, quando confeccionou vitrais como  os da própria Basílica, e também do Palácio da Justiça de Pernambuco. Curador da exposição e historiador da Ordem Carmelita, o Frei Cristiano Garcia informa que quando a imagem de Nossa Senhora do Carmo ganhou o título de Rainha do Recife e de Pernambuco, as quatro que tinham a mesma distinção na época eram: Nossa Senhora de Luján (Argentina), Nossa Senhora de Guadalupe (México), Nossa Senhora de Lourdes (França) e Nossa Senhora Aparecida (Brasil).

O título foi concedido pelo Papa Bento XV, e a coroação canônica ocorreu em 21 de setembro de 1919, com grande festa no Recife. A abertura da mostra aconteceu ontem (só para convidados). Mas a partir dessa terça (2/7),  ela será aberta ao público. Até o dia 15 de julho, a visitação pode ser feita das 9h às 11h30m, das 13h às 16h30m, e das 18h às 20h. A partir de 17 de julho, os horários mudam. A exposição poderá ser visitada somente das 9h às 11h30m, de segunda a sexta-feira. Para quem preferir o horário da tarde, nos dias úteis a mostra fica aberta ao público, também, das 13h às 16h30. Aos sábados, só haverá horário pela manhã. Aos domingos, será fechada. O valor da entrada é R$ 4. E a exposição ficará em cartaz até setembro.

Serviço
O quê: Exposição fotográfica Rainha de Pernambuco: Uma Memória da Coroação Canônica de Nossa Senhora do Carmo
Onde: Andar térreo do Convento dos Carmelitas, ao lado Basílica do Carmo, Av Dantas Barreto, 646, Bairro de Santo Antônio
Quando: diariamente , das 9h às 11h30m, das 13h às 16h30m e das 18h às 20, até o dia 16 de julho. Exposição vai até setembro, mas horários mudarão a partir de 17 de julho.
Quanto: R$ 4 (preço único)

Leia também:
Andarapé, do século 16 ao 21
Com Hans, entre o barroco e o rococó
A menor igreja de Olinda?
Pedra, mata e paz religiosa
A igreja sem história
Relíquias religiosas na Rua da Conceição
Paço Alfândega e igrejas no Olha! Recife
Minha tarde no Olha! Recife

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Arquivo/ Arquidiocese de Olinda e Recife

Compartilhe

2 comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.