Festa para São João e Xangô no Sítio Trindade, em Casa Amarela

De um lado, dançarinos mostrando seus enredos, coreografias e brilho, no 35º Concurso de Quadrilhas Juninas Adultos, com reverência a São João. Do outro, a 13ª edição da Exposição de Culinária Afro-brasileira, em homenagem a Xangô. Tudo acontece no Sítio Trindade, em Casa Amarela, Zona Norte do Recife, que é o mais tradicional arraial da cidade.  E juntar os dois santos também é uma tradição dessa  época. Afinal, São João é Xangó, no sincretismo religioso. Então, viva São João, e viva Xangô.   Estive no ano passado, vendo a versão afro da festa e também o concurso de quadrilhas. Recomendo. São duas belas manifestações, com incrível visual e muita música, que você pode conferir nessa quinta-feira (20/6), a partir das 18h30m, no Sítio.

Mas enquanto o milho assado e a canjica eram substituídos por espetinhos sem graça e cachorros quentes nas barracas que ficam perto do galpão onde se apresentam as quadrilhas, na enorme tenda da festa afro o que se via era só comida de terreiro mesmo. A distribuição dos alimentos foi gratuita, mas as filas eram tão grandes que nem entrei para experimentar. Mas que as comidas afro estavam dando de dez a zero nas oferecidas nas barracas, ah estavam. Antes da distribuição dos alimentos, no entanto, há apresentações de grupos de tradição afro, inclusive de maracatus.

Em 2019, a Exposição da Culinária Afro-Brasileira celebra a importância percussiva dos tambores sagrados e suas influências na musicalidade mundial. Serão festejados o Ìlù Bàtá, instrumento que deu origem ao Mèlé (Agbó), Mèlé Akó (Ankó) e Ìyá Ilú (Ìyàn). A programação inclui cânticos, danças e celebrações do povo de terreiro e com a distribuição e degustação de mais de 7 mil pratos e preparos, feitos de milho, massa de mandioca, quiabo, farinha e camarão, que são usados nos terreiros para celebrar os orixás.

A festa tem início às 18h30m, com apresentação de vários grupos de candomblé. Entre os pratos oferecidos gratuitamente ao público, serão servidos o gbègìrì e o amalá, comidas prediletas do Rei Xangô, orixá da justiça e do fogo, considerado o rei dos reis. A mostra, que integra o Ciclo Junino 2018 da Prefeitura do Recife, é uma iniciativa do Núcleo da Cultura Afro-Brasileira, com produção e execução do Terreiro Ilé Àse Egbé Awo, sob responsabilidade de Mãe Elza de Iemanjá.

Confira a programação:
18h30 – Apresentação Cultural
19h – Abertura do ÀJÒDÚN (Cânticos ao ÒRÌSÀ ÈSÙ)
19h30 – Início da degustação e continuação do ÀJÀDÚN (cânticos aos Òrìsà, Vodun, Nkise)
21h – Cânticos para SÀNGÓ, HEVIOSO e NZAZI (Roda para o REI – Fogueira)
21h30 – Homenagens aos Onílù e Alagbé (Tocadores do Sagrado), entrega do prêmio Ìyábàsé 2019 (Cozinheira do Àse)
23h – Encerramento do Sirè (cânticos e rezas)

Leia também:
Católica bota Xangô na ordem do dia
Festa para Xangô foi um sucesso
Festa para São João e Xangô
São João terá novos arraiais no Recife
Recife: igreja, santo, orixá e carnaval
Olha! Recife: Santo Antônio, São Pedro e São João

Serviço
13ª Exposição da Culinária Afro-Brasileira
Quando: 20 de junho
Onde: Sítio Trindade
Horário: 18h às 22h
Entrada franca

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Andréa Rego Barros/ Divulgação/ PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.