Jovens da Apae mostram seus talentos

Tudo que é inclusivo é bom, costumo sempre dizer. Tenho o maior respeito por entidades que trabalham pela inclusão de pessoas com algum tipo de deficiência. Por esse motivo, não posso deixar de registrar, aqui, evento que começa logo mais, às 19h, no Teatro Beberibe, no Centro de Convenções: o Nono Festival Estadual Nossa Arte, promovido pela Federação da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Pernambuco. Apaes de 17 cidades pernambucanas participam do evento, que é aberto ao público, quando todos nós poderemos ver a garotada cantando, dançando, representando fazendo arte. E viva a inclusão!

O Festival Nossa Arte contará com apresentações de dança, teatro e música. A etapa pernambucana serve de classificatória para o evento nacional, que acontecerá no mês de dezembro, em Manaus (AM).  Torcendo para a turma chegar lá. Crianças e jovens subirão ao palco logo mais para mostrar seus talentos. E posso garantir, são muitos. No intervalo das performances, a animação ficará por conta do calunguinha do Homem da Meia-Noite e dos personagens Mateus e Catirina.

Para participar da disputa, não existe idade mínima ou máxima. É encarar os palcos e mostrar seu talento.  Como o  mês é junino, o Grupo de Forró da Cidade de Mirandiba, formado por jovens atendidos pela entidade, ficará responsável pelo balancê.  O evento se estende  até a sexta, dia 7. “A arte é a melhor forma de inclusão. A habilitação ou reabilitação dos nossos alunos feita através de apresentações artísticas tem um retorno inacreditável. É uma verdadeira superação de limites o que presenciamos. Algo inesquecível”, comenta a presidente da Feapaes –PE, Amélia Borges.  Pensem em um povo para fazer um bonito trabalho.  O mundo precisa de gente linda, como os que fazem a Apae, tanto no palco quanto fora dele. Parabéns, Apae.

Leia também:
A luta por inclusão e acessibilidade
Sou diferente e faço a diferença
Renata Tarub: dança e inclusão
Bruno é exemplo para todos
Bruno, exemplo a ser seguido
O frevo inclusivo de Werison
Com respeito, construímos a igualdade 
Música para surdos: é o Som da Pele
“Esplendor” e o cinema para cegos

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Adriano Monteiro/ Divulgação/ Apae

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.