Cantos da África no Poço das Artes

Conheci Tsumbe Maria Mussundza no Jardim Secreto, terreno antes degradado do Poço da Panela e que foi transformado em horta, canteiros floridos e local de convivência pelos moradores.  Tsumbe fazia uma apresentação, pois ele é escritor, músico e dançarino. Sempre voltado para reproduzir, fazer entender ou vivenciar a cultura herdada dos seus ancestrais. Ele nasceu em Moçambique e é autor do livro Gule Wankulu, Ancestralidades & Memórias, um gostoso relato autobiográfico e, também, uma forma de contar e vivenciar a cultura e tradições de sua terra.

Para os que não sabem: Gule significa dança. E Wankulu refere-se à grandeza, ou aquilo que é maior. “Traduz-se por grande dança, em língua materna chewa, tronco linguístico bantu, falado na província de Tete, no centro de Moçambique, além de Zâmbia e Malawi, onde os chewa se ramificam”, explica o livro para nós, brasileiros, descendentes de africanos que somos, mas tão distantes dos significados dos idiomas dos seus povos. Tsumbe – “um artista que se move da cauda à cabeça”, como define Juliana Manhães – estará no Poço das Artes, na noite da sexta-feira (30), a partir das 20h30m.

Ele leva o Projeto Umba, palavra que quer dizer  cuidado com a criação, e  através do qual faz uma viagem sonora, presenteada pelo balafom. O balafom é um instrumento musical da África, com predominância em Burkina Faso. E é com ele que Tsumbe se apresenta, fazendo performance em que mistura canções, prosa e verso. Alguns extraídos de memórias, vivências, das tradições do seu povo. Outros, que vão surgindo – na emoção do momento – com som e declamações.  Tudo feito de forma meio intuitiva, sem ensaios prévios, porque Tsumbe  guarda na alma o sabor do improviso e da memória do seu povo. Na verdade, o Umba tem muito a ver com cantos, contos,  performance e raiz. O Poço das Artes fica na Rua Álvaro Macedo, 54, no Poço da Panela, Zona Norte do Recife. O ingresso para a apresentação custa R$ 15. O livro dele estará à venda no local (R$ 30).

Leia também:
De Yaá a Penólope africana
Ervas sagradas ganham sementeira
Baobás do Recife sacralizados na Bahia
Entre Boa Viagem e a África
Ebomi Cici fala sobre orixás e convivência com Pierre Verger
Nação Xambá: 88 anos de resistência
Resgate histórico: primeiro deputado negro do Brasil era pernambucano

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.