Olha! Recife: Palácios e Solares

Atenção para o roteiro Palácios e Solares a ser efetuado pelo Projeto Olha! Recife, na quarta-feira, 29 de maio.  Eu já o fiz duas vezes, uma com  o Grupo Caminhadas Domingueiras, e outro com o MeninXs na Rua. Recomendo, porque termina sendo uma aula sobre estilos arquitetônicos do século 19 e início  do 20. Portanto, agendem-se  O Olha! Recife, programa de sensibilização turística da Prefeitura, traçou um percurso que passará pelos casarões e palacetes da Avenida Rui Barbosa, um dos corredores ocupados no passado pela aristocracia pernambucana (principalmente a açucareira) e com a presença dos quais estamos habituados a conviver. Mas quem sabe a sua história?

O ponto de encontro, às 14h,  será em frente à Capela de Nossa Senhora da Conceição, no Parque da Jaqueira. Como o passeio será a pé, não há limite de vagas. E caso você não tenha se inscrito no site do Olha! Recife, não tem problema. É chegar, e participar.  Não vai se arrepender. Quem mora na Zona Norte, sempre passa na frente desses palacetes. Mas poucos conhecem o ano de construção, o estilo, que os construiu ou para que finalidade. Entre os casarões que constam no roteiro encontram-se três que gostaria de destacar: o da Academia Pernambucana de Letras, o Palacete da Ponte D´Uchoa (foto acima), a Mansão dos Azevedo e ainda do Museu do Estado.

A APL funciona em um belo casarão, datado do início do século 20 e cujo museu comporta peças raras do século 19. É um exemplar da herança do classicismo imperial e tido como “um dos mais belos exemplares do gênero no mundo”, de acordo com o Guia do Recife – Arquitetura e Paisagismo. O solar foi construído pelo Barão Rodrigues Mendes, e funciona como sede da APL desde 1966. Outra edificação incluída no roteiro é o número 1229, no passado conhecido como a Mansão de Henry  Gibson, mas hoje propriedade da família Batista da Silva. A mansão é datada de 1847, e fica em quadra que vai da avenida à beira do rio.

Outro imóvel a ser visitado é o casarão 707 da Avenida Rosa e Silva, hoje localizado no interior do condomínio Costa Azevedo, integrado por um arranha-céu e pelo casarão virou salão de festa do prédio. O casarão é uma das mais luxuosas residências construídas nos anos 30 do século passado. Tinha até elevador. Pertenceu ao proprietário daquela que foi a maior usina da América Latina, a Catende, nos tempos áureos da produção açucareira em Pernambuco. O passeio termina no Museu do Estado, onde o arquiteto, historiador e escritor José Luiz da Mota Menezes  lança o livro Palacetes e Solares dos Arredores do Recife. Ou seja, um passeio com um final e tanto, para os participantes do Olha! Recife

Veja galeria de fotos sobre casarões:

 

Leia também:
Basílicas, palacetes e Brasília Teimosa
As torres do Barão e Rapunzel
Cenários de cinema no Olha! Recife
Na rota dos velhos casarões
Na rota dos barões, barroco e baobá
Um passeio pela história do Recife 
A mansão de Henry Gibson
Reformas para pior no velho casario

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.