Matriz de Santo Antônio: Xô, vândalos!

No último final de semana, durante mais uma edição das chamadas Caminhadas Domingueiras Olhe pelo Recife, deu muita alegria ver a Matriz de Santo Antônio sem tapumes, com suas paredes alvas e as cantarias  limpas, depois de tantos anos sob a ação do ar poluído, da poeira e fuligem do centro do Recife. De longe, vi suas lindas torres sineiras e as obras em cantaria. Mas ao chegar perto do monumento barroco, a tristeza estava feita. O prédio, datado do século 18, sofreu ação de vândalos no final de semana.

Sinceramente, é muita falta de noção, por parte de gente, para quem o melhor lugar é a cadeia. Danificar o patrimônio público é crime. Sei não, mas penso que essas relíquias de nossa arquitetura deveriam ser externa e internamente monitoradas por câmeras de segurança, ligadas a uma central dos órgãos de segurança. Só assim, esses vândalos seriam flagrados no ato. O prédio, que foi construído entre 1753 e 1790, passou por uma longa restauração, que exigiu nada menos de R$ 4,5 milhões. As obras vinham sendo realizadas desde 2014, e a inauguração do serviço acontecerá no dia 2 de junho.

“Alma sebosa mesmo. Isso não é arte. Isto não é cultura alternativa. Isto é espírito de porco. Isto é crime. Isto merece punição exemplar”

Mas antes mesmo da festa de entrega oficial da igreja ao público e aos seus fiéis, os vândalos já marcaram território, como quem diz “aqui é a terra da barbárie” ou “quem manda somos nós, os sem noção”. A igreja – de mais de mil metros quadrados de área construída –  fica na esquina da Rua Nova com a Avenida Dantas Barreto, e foi erguida ao lado de uma antiga casa de pólvora. Segundo o livro Um Dia no Recife (de Francisco Cunha  e Plínio Santos Filho), o templo é considerado “um dos mais bonitos representantes do barroco colonial brasileiro”.  Mas, pelo visto, para umas almas sebosas que andam por aí emporcalhando tudo, nada disso importa.

Aqui no #OxeRecife, foi só postar uma foto nas redes sociais do Blog,  na terça, que leitores indignados começaram a reagir. “Alma sebosa mesmo. Isso não é arte. Isto não é cultura alternativa. Isto é espírito de porco. Isto é crime. Isto merece punição exemplar”, reage Sandra Cavalcanti. “Estava tão bonito, os vândalos não respeitam mesmo nada”, diz Maria Luiggi. “É revoltante. ****”, considera Bentinho Chiquito. “Muito triste mesmo”, lamenta Maria José Ferreira dos Santos. “Gente que não zela pelo patrimônio é muito ruim”, afirma Lúcia Regueira. E é mesmo! Xõ, vândalos!

Os vândalos, verdadeiras almas sebosas, não dão trégua nem para restaurações recentes, como se vê na foto. Polícia neles!

 

 

Leia também:
O milagre da Igreja dos Milagres
A menor igreja de Olinda?
Uma “pérola” na comunidade do Pilar
A igreja sem história
Rua da Conceição e relíquias religiosas
Santuário pioneiro é no Recife
Minha tarde no Olha! Recife

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.