Salvo papagaio acuado por cachorros

Vixe, que lourinho lindo… Ninguém sabe de onde veio. Provavelmente, fugiu de alguma casa. Até porque – a cada dia – o papagaio verdadeiro (Amazona aestiva) fica mais raro na natureza, aqui no Recife. Esse daí, no entanto, teve sorte. Foi salvo pelo aposentado Moacir Correia Guimarães Filho, quando era acuado por cachorros, na UR-7, na Várzea, bairro que fica na Zona Oeste do Recife.

Nesta semana, a ave adulta foi alvo de entrega voluntária. Chegou sã e salva à Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh). O aposentado tem um terreno ao lado de residência, onde costuma soltar os seus cães para exercícios. No domingo, teve uma surpresa, ao observar que os cachorros estavam muito agitados. Ao procurar ver o que acontecia, defrontou-se com o papagaio acuado, entre latidos. Ele afastou os cães, pegou uma toalha, cobriu o papagaio (“para não levar uma bicada”). Depois, botou o bichinho em uma caixa e entregou à Cprh.

“Ele é manso, devia estar sendo criado em ambiente doméstico. Provavelmente fugiu. E eu o trouxe para que ele possa viver livre. É muito triste ver uma ave aprisionada em gaiola”, disse Moacir.  Que bom, que existe gente como Moacir. Ele fez a coisa certa, livrando o tagarela do cativeiro.  O papagaio já foi enviado ao Centro de Triagem de Animais Silvestres da Cprh (Cetas Tangara). Depois, será reintroduzido às matas, através do belíssimo projeto Papagaio na Caatinga, que já devolveu cerca mais de 300 animais da espécie à natureza, de onde, aliás, esses simpáticos animais jamais deveriam ter saído.

Leia também:
“Dê cá o pé, meu louro”
Papagaio cativo: multa chega a R$ 5 mil
PM evita venda de papagaio bebê
Policial militar devolve papagaio
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Papagaio passa 25 anos na gaiola
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação
352 papagaios voltam à vida selvagem
Projeto Papagaio da Caatinga ganha reconhecimento internacional

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.