Os “idiotas úteis” e o “idiota inútil”

“Não se resolve um problema, arrancando a solução pela raiz”. O cartaz escrito a mão, em uma folha de cartolina, na tarde de hoje no Recife, traduz bem a preocupação de estudantes e professores com o destino do Brasil. Não se tem notícia, no mundo, de algum país que tenha evoluído, crescido e ficado socialmente desenvolvido sem o empurrão da educação. E todo mundo sabe disso.

Mas no Brasil, parece que o entendimento é diferente. Pelo menos por parte das autoridades no comando da Nação, de onde tudo que vem é retrocesso atrás do outro, nas áreas da segurança, do meio ambiente, dos direitos sociais, da educação. Enquanto mestres e alunos tomam as ruas de todo o país, para protestar contra o corte de quase 25 por cento no orçamento da educação, o Presidente ao invés de respeitar manifestação legítima e pacífica, ainda tripudia com a situação.

Em entrevista coletiva, nos Estados Unidos, classificou de “massa de manobra” e “idiotas úteis”, os manifestantes que ganharam as ruas do país, em defesa de causa tão nobre: o direito à educação.   A indignação com os cortes é tão grande, que houve protestos em todas as capitais do Brasil. Pacificamente, mostraram a indignação com a redução de recursos para o setor. Qual é o futuro de um país sem educação? Respondam rapidinho: Quem é melhor, milhões de “idiotas úteis” ( defendendo o direito à educação) ou um “idiota inútil” que não reconhece a sua importância?  “Sou um idiota útil, e quem é o idiota inútil?”, indagou um estudante. No meio das manifestações, a resposta indignada, escrita com letras garrafais em uma cartolina branca: “Idiota é você”.

Leia também:
Na contramão do governo Bolsonaro

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: manifestantes 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.