Que vergonha… Salão Nobre da Câmara dos Vereadores virou depósito de tralhas

“Salão nobre não é depósito”. Foi esse o comentário que ouvi, na noite de terça-feira, quando estive na Câmara Municipal, para prestigiar o lançamento do livro de um grande amigo. Por acaso a noite de autógrafos aconteceu no chamado Salão Nobre do Palácio José Mariano, onde trabalham nossos vereadores. Mas de salão nobre, o espaço só tem mesmo o nome. Infelizmente.

É que o local onde aconteciam no passado as sessões da Casa transformou-se em uma montanha de entulhos. Há os móveis escuros e clássicos (jacarandá?) nos quais se sentavam os representantes da Mesa Diretora. Eles ainda estão lá. Mas por trás dessa mobília antiga, o que se vê são tralhas para todos os lados. Cadeiras viradas, tapetes velhos enrolados, pedaços de fórmica, caixas de papelão, molduras velhas, mesas e cadeiras de pernas para o ar. Tudo amontoado. Uma situação constrangedora.

Uma amiga minha até comentou o olhar do patrono da Casa, vendo aquela bagaceira toda. Disse que se a Câmara Municipal fosse presidida por uma mulher, provavelmente estaria melhor cuidada. Sinceramente, atribuir ao salão nobre de uma instituição o mesmo papel destinado a sótãos, porões e garagens é uma falta de demonstração de amor à Casa, onde o poder legislativo do município se abriga. O edifício, datado de 1920, foi construído originalmente para sediar uma escola, mas passou a abrigar a Câmara dos Vereadores ainda no  século passado.

O salão nobre me lembrou aquela casa do cachorro, de fundo de quintal  em que, na ausência do animal, é geralmente ocupada pelas tralhas de uma residência. Imaginem se os salões nobres do Palácio do Campo das Princesas (sede do governo estadual), do Teatro Santa Isabel ou da histórica Faculdade de Direito fossem transformados em depósitos de entulhos. Os três são sistematicamente alvos de visitas guiadas, e atraem a atenção não só dos recifenses como dos turistas.  Se vocês vissem um salão nobre dessas instituições nas condições do da Câmara, o que vocês diriam? Também observei degraus com pedaços faltando na escadaria, o que representa um risco de queda para os vereadores e para o público, que não tem culpa do descaso dos seus representantes para com aqueles que os elegeram. Perguntar não ofende: Será que quem não cuida da própria casa está preocupado com o destino da cidade? Acorda prá Jesus, meu povo. Oxe, Recife!

Leia também:
Vereadores percorrem bairros
Câmara abre microfone para o povo
Cida Pedrosa lança livro na Câmara Municipal
Câmara Municipal comemora 500 anos da reforma de Lutero
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Você está feliz com o Recife?

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.