Lixo plástico vira cinema nas escolas

Nesses tempos de poluição provocada por excesso de plásticos na natureza – incluindo lagos, rios e mares – há iniciativas para as quais a gente tem mais é que tirar o chapéu. Uma delas é o projeto Cidade Plástica, capitaneado pelo cineasta e educador Bruno Cabús, que está realizando oficinas de stop motion para crianças e adolescentes, com material reciclável. As aulas começam nesta segunda-feira, em escolas da rede municipal do Recife. A duração do curso é de 20 horas, do qual sairão pequenos cineastas com mais consciência ambiental.

O projeto é realizado pela Asaga e Audiovisual e Cidadania, e tem produção da Bonsucesso Comunicação e Cultura, contando com incentivo do Fundo Municipal de Meio Ambiente, através da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Recife. Ao longo do mês de maio, seis escolas municipais irão receber a atividade. Para o facilitador “os participantes terão a oportunidade de conhecer sobre o processo de produção de um filme de animação e ainda expressar sua imaginação através da utilização do plástico na construção dos personagens de suas histórias”.  E  acrescenta Bruno (foto ao lado): “Essa é a nossa ideia: utilizar a técnica audiovisual como uma ferramenta para envolver a população sobre o tema da reutilização, mostrando que não existem limites nessa reconstrução do que teoricamente seria apenas lixo”.

 Lembra que, ao final das oficinas, haverá seis filmes” produzidos com plásticos que estão no nosso dia-a-dia”. Bruno desenvolve oficinas do gênero por todo o país. No início, os alunos terão uma capacitação em Educação Ambiental, com o objetivo de promover a reflexão sobre os impactos que a produção, consumo e descarte do lixo plástico causam ao meio ambiente. Serão utilizadas ferramentas como exibição de filmes e imagens, realização de dinâmica lúdica e estímulo ao diálogo, buscando incentivar não só a mudança de comportamento individual, mas também a ação coletiva.

Após a capacitação – com elaboração dos roteiros  embasadas nos assuntos elencados durante a etapa de educação ambiental – os curtas serão então produzidos com utilização de materiais plásticos coletados durante o período da oficina. Cada escola irá produzir um filme de até três minutos sobre o impacto do plástico no meio ambiente, no qual terá seu lançamento na Maré- Mostra Ambiental do Recife prevista para ocorrer em agosto de 2019. Posteriormente os filmes serão disponibilizados no site do projeto, tendo como pano de fundo a cidade do Recife, de forma a desenvolver uma campanha de educação ambiental nas escolas, nas redes sociais e na comunidade envolvida. Entre as escolas beneficiadas estão: Luiz Vaz de Camões (Ipsep), Antônio Heráclio do Rego (Água Fria), Antônio Farias Filho (San Martin), José da Costa Porto (Coque), Arraial Novo Bom Jesus (Novo Bom Jesus) e Otávio Meira Lins (Vasco da Gama).

Leia também:
Plásticos poluem Boa Viagem 
Plásticos viram vilões de tartarugas 
Mar: mais plástico do que peixe em 2050
“Colete três plásticos na areia”
Faça como a WeWork: troque o copo plástico por uma canequinha 
A praia de Boa Viagem está limpa? 
Luminárias de PETs com energia eólica 
Fazendo jarros com PETs na Jaqueira

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação/ PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.