Parem de derrubar árvores (176)

Me perdoem os leitores. Mas, sinceramente, já estou começando a me angustiar com essas cenas degradantes, de árvores decepadas, que a gente vê com muita, mas muita frequência mesmo, nas ruas do Recife.

É impressionante como a cada dia as vítimas da motosserra insana são mais comuns na paisagem da nossa querida capital. Meu Deus do Céu, onde isso vai parar? Esta árvore, que dava uma sombra maravilhosa para usuários de ônibus e ambulantes fica na Rua Princesa Isabel, em frente a dois prédios históricos: a Faculdade de Direito do Recife e a Câmara Municipal.

Segundo me informou um ambulante que vende doces e bombons na calçada, próximo à parada de ônibus, a planta estava atacada por cupins, mas ele disse que nunca viu nenhum órgão oficial chegar para tratar da árvore.  Nem no começou da praga, nem quando a infestação já era grande. Informa que o calor no local agora está insuportável. O que falta é erradicar o tronco e, claro, fazer a reposição da planta com uma já adulta, para que possa vingar.

Mas no Recife, infelizmente o que a gente vê, são cenas como essa em toda parte. Troncos torados, árvores mortas, canteiros vazios, sem reposição. E isso é grave e triste. Principalmente agora, quando os poderosos de Brasília não mostram nenhum zelo para com a natureza. É necessário que municípios, estados façam a sua parte. Urgentemente. Porque no nosso país, as florestas e matas estão em risco. Então, mais do que nunca, precisamos cuidar de nossa vegetação urbana.

Leia também:
Parem de derrubar árvores (175) 
Parem de derrubar árvores (174)

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.