Projeto “Papagaio da Caatinga” ganha reconhecimento internacional (WPT)

Vejam que notícia boa.  Vocês conhecem o World Parrot Trust (WPT)? É uma organização que há 30 anos desenvolve ou ajuda projetos de conservação de diversas espécies de papagaios em 40 países espalhados pelo mundo. Pois o último número da revista da entidade – a Psittascene –  acaba de publicar o artigo Segundas Chances na Caatinga, assinado por Yuri Marinho Valença, que coordena o projeto que já devolveu mais de 300 aves à natureza. O tagarela (Amazona aestiva), como se sabe, é um das aves mais visadas pelo tráfico de animais silvestres.

Em Pernambuco, eles são liberados em área monitorada, no Sertão do Estado. No artigo, o biólogo destaca métodos e parcerias, e afirma que a iniciativa dá aos animais “uma segunda chance de viver”. O projeto – inicialmente desenvolvido pelo governo federal – é agora gerido pela Agência Estadual de Meio Ambiente (Cprh).   Muitos dos papagaios reabilitados passaram dezenas de anos vivendo em cativeiro. Agora soltos, formaram bandos, famílias e algumas até chegaram a procriar. Não é lindo? O projeto foi iniciado em 2010 pelo instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), mas em 2014 passou para a coordenação da Cprh e Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

Iuri coordena o Projeto Papagaio da Caatinga, que ganhou projeção internacional com publicação em revista do  WPT.

O Papagaio da Caatinga mantém parceria com o Centro de Manejo da Fauna da Caatinga (CemaFauna), da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), com áreas de solturas monitoradas em três municípios sertanejos – Salgueiro, Exu e Lagoa Grande. No trabalho publicado, Iuri mostra as diversas etapas na preparação para o retorno desses graciosos e disputados animais à natureza. Ele disse  que o retorno das aves à vida selvagem, tem rendido um novo comportamento entre os moradores da região.

Lembram do caso do papagaio que provocou o divórcio dos seus donos, porque reproduziu para a mulher traída pelo marido todas as frases que ele dizia à amante pelo telefone? É muita astúcia e também uma merecida vingança…

“Um efeito curioso do projeto é o interesse renovado no ecoturismo na caatinga, principalmente ao redor da cidade de Exu, onde uma das áreas de soltura está localizada em uma fazenda”, afirma Iuri. Ressalta que o interesse do público no assunto foi motivado em parte por programas de televisão e de rádio, assim como pelas redes sociais nacionais, demonstrando os esforços para trazer as aves de volta à natureza”. O WPT foi fundado em 1989 pelo britânico Mike Reynolds (falecido em 2007). E é considerado uma das maiores organizações de preservação e bem-estar de papagaios do mundo, desenvolvendo e ajudando iniciativas voltadas para salvar papagaios selvagens da extinção em diversos países.  A araras, jandaias, papagaios, ararajubas, periquitos maracanãs, apuins  – enfim aos psitacídeos – o #OxeRecife deseja toda a proteção do mundo. Eles merecem! Algumas dessas espécies estão entre as aves mais inteligentes que existem, sabiam? Lembram do caso do papagaio que provocou o divórcio dos seus donos, porque reproduziu para a mulher traída pelo marido todas as frases que ele dizia à amante pelo telefone? É muita astúcia…. E uma vingança à altura, para quem vivia cativo, apesar do direito da vida em liberdade.

Leia também:
Papagaio cativo: multa chega a R$ 5 mil
PM evita venda de papagaio bebê
Policial militar devolve papagaios
Papagaio passa 25 anos na gaiola
352 papagaios voltam à vida selvagem 
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação à Cprh

Texto:: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cprh/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.