Filme revive fatos da ditadura de 1964

Parece, mas não é. A moça da foto aparenta ter sido vítima de alguma violência sexista, doméstica. Mas não é nada disso. No entanto, é uma atriz (Natália Castro) que em filme a ser exibido nesse sábado, mostra um outro tipo de violência, a política. Aquela praticada sob tortura, que os governantes atuais dizem que nunca existiu. Mas existiu sim, e quem viveu aquela época sabe disso.  O filme é o curta-metragem (SUB) Imersa, que conta a história de uma moça recém-casada, com vida tlivre em meios aos canaviais, mas que tem o destino completamente destroçado pelas forças da repressão da ditadura implantada no país, a partir de 1964.

E a gente que sabe que a perseguição foi grande, principalmente aqui em Pernambuco, onde nasceram as Ligas Camponesas, movimento incendiário criado pelo advogado Francisco Julião nos anos 1960, e que muito incomodava a aristocracia açucareira e demais forças conservadoras da época. Pois o filme, embora ficcional, trata exatamente disso: da mulher que tendo o marido desaparecido, enfrenta violação do próprio corpo e tortura. O enredo do filme mostra que, na realidade, muita gente que sofria perseguição nem sequer sabia o que era “subversão”, termo muito utilizado pelos militares, durante aqueles anos obscuros, para rotular quem era contra o regime.

O curta-metragem é o primeiro de Maria Dias e será lançado na noite desse sábado (13/4), às 20h, na Petiscaria Cultural na Ladeira, espaço cultural, gastronômico etílico, que fica na Rua de São Francisco, 81, Carmo, Olinda. Após a exibição do curta, haverá um debate que terá como mediadora Tais Paranhos, jornalista, radialista, blogueira e mestra em comunicação. Os debatedores serão: Francisco Chico de Assis Barreto da Rocha Filho (ex-preso político, poeta e escritor),  Luis Tenderini (ex preso poltico, teólogo e padre), Didha Pereira (graduado em letras, mestre em educação, ator, diretor, autor, professor e produtor), e Maria José Avort, psicóloga. No final, haverá pocket show.

Leia também:
Livro oportuno sobre a ditadura
Lição de história sobre ditadura de 1964 no Olha! Recife
“Cárcere” mostra Brasil desde a ditadura
MP recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis em PE
“Nazista bom é nazista morto”

Serviço:
Filme: (SUB)Imersa
Curta-Metragem
Duração: 15min
Dia/Data: 13 de abril de 2019, sábado
Horário: 20h
Acesso/Entrada: Gratuito
Censura: Livre
Local: Petiscaria Cultural Na Ladeira, Rua São Francisco, 81, Carmo, Olinda – PE.

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Miguel Igreja/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.