Docecleta: a bike que virou empresa

Vejam de que é capaz uma ideia criativa… Em 2014, em plena onda dos food trucks, Mariana Parshauss e Marcelo Moura (foto) decidiram estacionar a bicicleta no Parque da Jaqueira, para comercializar uma leva de brownies que haviam preparado em casa. A iniciativa foi bem sucedida. A fama do  bolinho gostoso se espalhou e começou a propaganda “de boca em boca”, como diz a gíria. Em pouco tempo, o casal estava sendo convidado a levar a doce bike para festas e até eventos corporativos.  Os docinhos eram um sucesso. Assim,  entre a bike e o fogão, nasceu  a Docecleta Brownieria.

Não tardou muito, e a dupla ganhou dois sócios: Natasha Góes e Fernanda Guerra. Em pouco tempo, surgia a primeira loja fixa, funcionando em uma pequena garagem.  Hoje os quatro possuem uma loja maior na Rua do Chacon (no Poço da Panela) e cinco quiosques espalhados no Recife. O mais recente começou a funcionar esta semana, no Shopping Tacaruna. A nova operação está instalada perto da praça de alimentação do primeiro pavimento, e tem estrutura diferenciada, criada especialmente para aquele mall.

A empresa (incluindo lojas e fábrica) conta atualmente com 35 empregados. E a venda dos docinhos só faz crescer. São dez produtos, todos derivados do brownie. “A mesma massa e várias formas de apresentar”, explicam. Os preços variam: R$ 2 (mini brownie) a R$ 98 (vulcão de brownie com dois quilos). As doces bikes, no entanto, sumiram de parques, jardins, das ruas. Mas estão presentes em eventos, principalmente quando solicitadas.

E a Docecleta transformou-se em franquia,  o que pode significar uma boa sugestão para quem estiver interessado em botar um novo empreendimento. “Tudo depende da viabilização do negócio”, informam os empresários. Ficou com água na boca? Pois vejam só alguns dos sabores que você vai encontrar na Docecleta, que começou com uma bike e virou um bom negócio, com seis pontos de venda. No Tacaruna e nas demais lojas, além do brownie (carro-chefe da marca), nas versões chocolate ao leite e branco, o público poderá encontrar outros deliciosos produtos como tarecos, brownie trufado, brownie de bacia, bolo vulcão entre outros produtos exclusivos da marca. E haja açúcar, para adoçar mais ainda a vida.

Leia também:
O doce fininho de Nossa Senhora da Conceição
Plana, o Recife é ideal para pedalar
Vá de bike com a La Ursa Tours
Tacaruna e Plaza com programação cultural

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Um comentário

  1. Antes fosse isso. Na verdade, surfaram na onda das bicicletas, com o mote verde e sustentável construído ao longo de anos. As bicicletas são transportadas no transbike e depois usavam a bicicleta apenas para ter alguma permissividade de estacionar sobre a calçada. A bicicleta da Docecleta é apenas um tabuleiro qualquer. O uso da bicicleta é apenas a apropriação do capitalismo sobre os símbolos sociais. Bicicletas que vendem comida existem há décadas, notavelmente, Gildo Lanches, na Praça do Derby, pedala uma frota de bicicletas. Eu disse: PEDALA! A Docecleta não! A Docecleta é somente a apropriação e a valorização dos brancos de classe média em cima de um trabalho que sempre foi executado e pioneiro de outras pessoas. O detalhe sórdido é que a Prefeitura do Recife persegue pobres e negros com suas “food bikes” quando estão nas calçadas. Mas fazem que não veem a Docecleta fazendo o mesmo.

    Uma pena valorizarem tanto essas farsas. Docecleta = FARSA!

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.