Caminhadas Culturais repete passeio de catamarã pelo Rio Capibaribe, do Centro ao Poço da Panela.

Caminhadas com atitude. Que tal?

Vejam como os recifenses gostam do Recife.  Mesmo com a capital tão maltratada como se encontra. Os exemplos de amor à cidade podem ser verificados no número cada vez maior de adeptos em grupos de caminhadas. E quando tem Rio Capibaribe no meio, pode sair da frente que aí vem gente. É assim com o Projeto Olha! Recife, foi com o MeninXs na Rua em 2018, e agora a história se repete com o recém criado Grupo Caminhadas Culturais.

Quando tem catamarã, as vagas de passeios gratuitos do Olha! Recife pelo Rio Capibaribe esgotam em poucos minutos. As inscrições para esse programa oficial acontecem a partir das nove da manhã das sexta-feiras, quando é anunciada a grade de roteiros do final de semana. Em poucos momentos, quando tem passeio de barco, já não há mais vagas. No ano passado, o engenheiro Agenor Tenório organizou um trajeto com os MeninXs saindo do pier da Rua da Aurora de barco, para admirar a arquitetura das pontes e do Recife. Foi um sucesso. O barco não chegou para quem quis.

Agora, o Caminhadas Culturais – o mais ativo dos grupos, com trocas frenéticas de informações históricas e arquitetônicas diariamente – decidiu fazer um passeio pelo Capibaribe, saindo do Cais das Cinco Pontas até o bairro de Casa Forte. As cem vagas – lotação do barco – esgotaram rapidamente. Detalhe: o passeio só será no dia 28 de abril, mas não há mais vagas. Ou seja, as pessoas gostam do Recife, do Capibaribe, mas estão sobretudo ávidas, também, por informações sobre a cidade. E  aí é que reside o diferencial dos grupos.

Quem está habituado, por exemplo, a seguir as Caminhadas Domingueiras, comandadas pelo consultor, arquiteto e urbanista Francisco Cunha, sabe muito bem disso. Seus passeios temáticos e gratuitos – só por amor à causa e ao Recife – chegam a atrair mais de cem pessoas por edição. As Caminhadas Domingueiras são mensais. E sob a batuta do urbanista, já  falou-se dos estilos arquitetônicos, da arquitetura de ferro, da presença do barroco, do estilo eclético, do moderno, do art-déco. E o interesse em conhecer a cidade é cada vez maior.  O #OxeRecife  faz parte de vários grupos, e sempre registra aqui o lado bom (paisagem, arquitetura, história) e o lado ruim da cidade (calçadas esburacadas, abandono de locais históricos, praças abandonadas). E tem uma sugestão:  ao final de cada passeio, cada grupo bem que podia enviar um relatório ao prefeito, apontando as necessidades do Recife. Vamos fazer isso? Se a gente está na rua. A gente vê, a gente pode, não é não?

Leia também:
Caminhadas com áudios via WhatsApp
Pernambuco sem acervo de dois Abelardos 
O milagre da Igreja dos Milagres
A menor igreja de Olinda? 
Andarapé entre  o século 15 e o 21
O Homem da Meia Noite merece respeito

Serviço:
O quê: Caminhadas Culturais
Como acompanhar a programação: átravés de um dos três links abaixo

Blog:                                                                   https://caminhadasculturaispe.blogspot.com/ 

Facebook:
https://www.facebook.com/groups/CaminhadasCulturais/                                                               

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação/ Catamaran Tours

Compartilhe

Um comentário

  1. Entre em contato pelo Whatsapp (9.9870.9370 STENBERG LIMA) que adiciono você no Grupo 4 Caminhadas Culturais, os 3 primeiros grupos jã estão lotados. Assim você acompanha nossos eventos

    Serviço:
    O quê: Caminhadas Culturais
    Como acompanhar a programação: átravés de um dos três links abaixo

    Blog:
    https://caminhadasculturaispe.blogspot.com/

    Facebook:
    https://www.facebook.com/groups/CaminhadasCulturais/

    WhatsApp:
    https://chat.whatsapp.com/JTijn8RlWvR3t8VVz1iFj3

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.