Como neutralizar mudanças climáticas?

Com 135 dos seus 184 municípios vulneráveis a processos de desertificação – o que corresponde a 90,68 por cento do território do Estado – Pernambuco está em busca de metodologia para construção de inventário dos gases que influenciam nas mudanças climáticas. “Minha ambição é construir uma forma para que os 9 milhões de pernambucanos possam contribuir efetivamente nesse processo de redução, seja num reflorestamento ou separando os resíduos sólidos em casa. É importante que a população se sinta participando desse processo de contribuição coletiva”, afirmou hoje o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti.

Ele fez as considerações na abertura do Workshop de capacitação e diagnóstico para o monitoramento da emissão dos gases de efeito estufa (GEE) no Estado. O encontro começou nesta quarta-feira (03/04), no auditório da vice-governadoria, no Bairro do Recife. No evento, a secretária Executiva de Meio Ambiente, Inamara Melo, apresentou dados preocupantes da Região e do Norte do Brasil.“A Amazônia (foto) e o Nordeste constituem o que poderia ser chamado de climatic change hot spots e representam as regiões mais vulneráveis do Brasil às mudanças do clima”, disse.

E completou: “Além disso, Pernambuco possui, pelos critérios de índice de aridez, 135 municípios em áreas suscetíveis ao processo de desertificação, correspondendo a 90,68% da superfície do estado. Por isso, a gestão ambiental do estado tem que trilhar um caminho com a elaboração do inventário de emissões desses gases, o estabelecimento de metas claras de redução, através de um plano de mitigação e adaptação do ambiente costeiro, plano de mitigação e adaptação do semiárido”. Ela sugeriu como formas de reduzir o problema:  incentivo à economia verde e tecnologias de baixo carbono, monitoramento e divulgação da implantação da política, e apoio aos municípios para implementação da política de mudanças climáticas.

O treinamento é promovido pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas/PE), juntamente com a Coalisão Under2. O objetivo é capacitar gestores públicos para elaborar o inventário de GEE, além de identificar as necessidades do estado para implementar o monitoramento, documentar e analisar os dados das emissão desses gases. O inventário é um dos principais instrumentos de planejamento para a elaboração de políticas públicas de adaptação e combate aos efeitos das mudanças climáticas.

Leia também:
Apague as luzes na Hora do Planeta
Recife ficará mais verde em 2021
Verdade ou fake, 50 mil árvores?
Parem de derrubar árvores (171)
Arborização do Recife em discussão
Por um milhão de árvores na Amazônia

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.