Pontes passam por restauração

Depois do rebu nas redes sociais, quando dezenas de fotografias pipocaram mostrando a situação de nossas pontes – rachaduras, corrosão, ferragens expostas – a Prefeitura do Recife, finalmente vai dar início à restauração das pontes do Derby e da Torre.  Na Torre, por exemplo, o canteiro de obras já começou a ser implantado desde a semana passada com instalação de tapumes, de tanques gigantescos de água e escritório da empreiteira responsável pelos serviços. Ao ver a movimentação na última quinta-feira, durante minha caminhada, parei no local, para indagar  aos operários se seria a implantação de alguma praça, à margem do Capibaribe, ali esquina da Avenida Beira Rio com a Rua Conde de Irajá. Me informaram que era o início dos trabalhos de recuperação da ponte. Fiquei contente. Não é uma praça nova mas, pelo menos, teremos pontes mais seguras.

Ao chegar em casa, liguei para a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb), pedindo informações sobre as obras, mas a resposta só chegou hoje. Que bom. As intervenções totalizam investimentos de R$ 11.114.314,17 e a previsão é que as duas fiquem prontas em um ano. Isto é, se não houver atrasos, aditamentos, obras paralisadas, essas coisas que são comuns na burocracia oficial e que fazem do Brasil, de Pernambuco e do Recife um paraíso de obras paradas. As empresas que ganharam a licitação para as obras foram a Concrepox (Torre) e Jotabetom (Derby). Informa a Emlurb que a Prefeitura vai lançar, ainda nesse semestre, licitação para restauração das pontes Princesa Isabel e Motocolombó, assim como os processos de elaboração de projeto do viaduto/ponte de Joana Bezerra e da ponte Giratória (que nem gira mais). Todas estão extremamente necessitadas.

Pontes vão passar por consertos, depois de alerta da população nas redes sociais. No começo, duas

O problema das pontes do Recife foi assunto de reunião realizada no dia 21 de janeiro, na  sede do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (CREA-PE), onde a Emlurb apresentou para vários engenheiros e especialistas da área o estado estrutural das principais pontes e a estratégia traçada pela Prefeitura para as diversas intervenções estudadas para a recuperação.  “Na ponte do Derby, os serviços irão contemplar a recuperação dos tubulões, das travessas, transversinas e do tabuleiro, a substituição dos apoios, através de macaqueamento hidráulico (que possui a capacidade de 200 toneladas-força)”. Também será feita pintura de proteção de todo o serviço realizado em ambas.

A ponte da Torre passará pelo mesmo processo de recuperação da do Derby, uma vez que, segundo a Emlurb, “ambas apresentam características geométricas, estruturais e patológicas semelhantes, com vão central de 120 metros cada uma”. Para os que não sabem: tubulões são elementos estruturais de fundação profunda de concreto. Travessas são vigas largas, que abrigam a estrutura das pontes. Tabuleiro é o pavimento da ponte. E macaqueamento hidráulico é o método utilizado para levantamento de estruturas pesadas, como as de pontes e viadutos.  Saravá!

Leia também:
Pontes ainda vão esperar por reparos
Recife: pontes e “fontes de miséria” 
Recife com Nassau, pontes e jornal 
Ponte restaurada e giratória que não gira 
MeninXs na Rua foram pelo Rio
Colorido degradê na Ponte do Pina

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: redes sociais/ mobilização popular por recuperação de pontes

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.