Papagaio passa 25 anos na gaiola mas vai voltar à natureza selvagem no Sertão

Vivendo há 25 anos no cativeiro, este  papagaio verdadeiro (Amazona aestiva) vai voltar à natureza. Moradora do bairro da Madalena, Rosimery de Souza Campos decidiu  entregar o bichinho à Agência Estadual de Meio Ambiente (Cprh). A ave lhe foi deixada pela mãe, falecida há seis meses. Agora, passará por reabilitação no Projeto Papagaio da Caatinga e depois será solta na natureza, onde viverá com outras e poderá reproduzir, ajudando a sobrevivência da espécie.

O Projeto Papagaio da Caatinga é referência no Brasil. Ele foi implantado há oito anos pelo Ibama, e repassado à Cprh a partir de 2014.  Nesses oito anos, já reabilitou 352 papagaios que estão livres na natureza, vivendo e reproduzindo. Rosimery esteve na Cprh com a neta Larissa, para fazer a entrega voluntária. Contou que o papagaio foi entregue à sua mãe por uma irmã, quando esta mudou-se para o Rio de Janeiro, em 1994. Após a morte da mãe, o papagaio ficou com Rosimery.

Depois de 25 anos em cativeiro, Rosimery entrega papagaio que herdou da mãe. Animal voltará à natureza.

No último dia 7, no entanto, ao assistir a reportagem na TV Globo sobre o trabalho de triagem e reabilitação de animais, ela decidiu entregar a ave para que o louro volte à natureza. A reportagem mostrava que quem cria e/ou comercializa animais silvestres pode responder na Justiça por crime ambiental, o que é desconsiderado no caso da entrega voluntária.   O papagaio já está no Centro de Triagem de Animais Silvestres da Cprh (Cetas Tangara), onde vem sendo preparado para voltar ao local de onde jamais deveria ter saído.

O Cetas fica no Bairro da Guabiraba, Zona Norte do Recife. E a cada ano aumenta o número de animais encaminhados à reabilitação.  Isso com com a ajuda das ações de Educação Ambiental e do reforço do combate ao tráfico por órgãos como a Cipoma – Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente. Se em 2016 o número  de acolhimentos foi pouco mais de 5 mil, em 2017 pulou para 9.153. E chegou a 13.406, em 2018. A maior parte dos animais apreendidos é formada de aves, incluindo papagaios. Acompanhando a avó na entrega, Larissa ganhou brinquedos e uma edição do livro Conversa de Preguiça, editado pelo Programa de Comunicação para a Sustentabilidade, do Núcleo de Comunicação e Educação Ambiental da Agência.

Leia também:
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação à Cprh 
352 papagaios voltam à vida selvagem
“Dê cá o pé, meu louro”
Papagaio cativo: multa chega a R$ 5 mil
Araras repatriadas para a Amazônia
Aves brasileiras são alvo de tráfico
PM evita venda de papagaio bebê

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cprh / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.