Calçadas largas na Rua Gervásio Pires

Ufa. Finalmente uma calçada larga, sem buraco e com acessibilidade. Portanto, boa de andar, coisa rara aqui no Recife. Foi o que encontrei na Rua Gervásio Pires, no bairro da Boa Vista. Inclusive bem mais larga do que a anterior. De acordo com a Empresa de Urbanização do Recife (URB), a reforma incluiu o avanço de um metro do passeio público para a área da via. Ou seja, a Gervásio Pires ficou mais estreita para os carros. Em compensação, o pedestre saiu ganhando.

Ali, não houve – no entanto – necessidade de recuar muros nem de supressão vegetal. Ainda bem, senão o Recife enfrentaria novas degolas de árvores. Os canteiros onde elas ficam também são mais largos do que os anteriores, permitindo a expansão de suas raízes e, portanto, maior fixação ao solo. Não sou do ramo, e não sei avaliar a qualidade dos blocos de concreto com que a calçada foi restaurada. Se forem da mesma qualidade da utilizada no calçadão da Orla, em Boa Viagem – Zona Sul do Recife – o desgaste não demora muito para ocorrer. Em todo caso, vamos aguardar, para ver como o novo piso se comporta. Mas, pelo menos, não há risco de tombos como em outras vias importantes do Centro, tais como a Avenida Conde da Boa Vista, a Rua do Imperador e Avenida Guararapes.

Avenida Norte ganhou boas calçadas,perto do Parque da Macaxeira, mas próximo à Br 101, não há nem como se andar.

A URB informou ao #OxeRecife que a reforma integra o programa Calçada legal, que “prevê a requalificação das calçadas das principais vias da cidade”. As vias foram divididas em dez lotes. “Serão feitos corredores viários em todas as Regiões Políticas Administrativas (RPA’s)”, promete. Atualmente a URB executa obras nas ruas Barão de Souza Leão (Boa Viagem), Maria Irene (Jordão), Rui Barbosa e Amélia (Graças), João de Barros e do Príncipe (Santo Amaro), Gervásio Pires (Boa Vista), Arquiteto Luiz Nunes (Imbiribeira), Augusto Calheiros e Santos Araújo (Afogados), Avenida do Forte e Carlos Gomes (Cordeiro), Coelhos (Coelhos) e Mário Melo (Santo Amaro). Já foi concluída a Rua Carlos Chagas (Santo Amaro).

Informa, ainda, que o trabalho nos passeios é executado em materiais antiderrapantes, com pisos táteis, sinalizadores e direcionais. Além da recuperação do piso, serão realizadas soluções com rampas de acessibilidade, percursos legíveis, preservação dos passeios históricos, paisagismo, entre outras melhorias. “O objetivo é privilegiar o caminhar, uma vez que mais de 70% da população do Recife usa transporte público ou se locomove a pé para casa, trabalho ou escola/faculdade”. Quem ganhou calçadas boas, também, foi a Avenida Norte. Porém há trechos não contemplados, onde é difícil até caminhar, como nas proximidades com a BR 101 e à altura de Sítio Grande, perto da de Casa Amarela. Um cálculo feito pelo #OxeRecife, com base na extensão da Avenida Norte na quantidade de calçadas recuperadas indicou que os trechos contemplados somam apenas doze por cento do total localizado naquela importante. Ou seja,ainda tem muita gente sob ameaça de tropeçar, cair em buraco ou quebrar o pé.

Leia também:
Depois daquele tombo
“Revoltado com a queda na calçada”
Acidente em calçada requer até Samu
Av. Norte: reforma só atende a doze por cento das calçadas 
Calçadas crateras na Avenida Norte
Pelas calçadas do meu Recife
Calçadas detonadas no Centro
Calçadas pedem socorro no Recife
Oxe, cadê as calçadas da Avenida Norte?

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.