A praia de Boa Viagem está limpa?

Entidades ambientalistas já começaram a advertir: caso persista o descarte de plásticos na natureza, o futuro é triste. É que, em 2050,  a quantidade deles será maior do que a de peixes nos oceanos. Há alguns dias, era fácil perceber a extensão desse problema na Praia de Boa Viagem, Zona Sul do Recife.

Ali, pode-se vivenciar duas situações. A primeira ocorre quando há sargaço em grande quantidade no mar. A segunda, quando a alga marinha recua para águas mais profundas ou desaparecem. No primeiro caso, as plantas arrastam  para a areia da praia, toneladas de sacolas, copos, canudinhos, potes de margarina, garrafas de refrigerante e até pedaços grandes daqueles materiais. No segundo, a areia fica limpa e tudo volta à normalidade. À normalidade? Nem tanto.

Nos dias de carnaval, aproveitei as manhãs de sol para um banho de mar, em Boa Viagem.  Com frequência menor e todo mundo na folia do Recife e Olinda, a areia estava limpíssima, livre de detritos, portanto. Comemorei, já que à última vez que lá estive, a sujeira era tão grande que até os banhistas fizeram um mutirão espontâneo, junto com os garis, para recolher o lixo.  Ao entrar no mar, no entanto, a alegria foi embora. O que tinha de coisa boiando na água – de sacos transparentes de alimentos (embalagens de farinha, arroz, macarrão) a sacolas opacas, daquelas em que supermercados colocam as compras – não estava no gibi. Eles estavam enganchados em algas marinhas que boiavam, no caso os próprios sargaços.

Vejam só o que recolhi, em apenas três minutos, na água “limpa” (foto na mesa vermelha). Depois, em apenas um também, em área do mar onde havia sargaços (no lixeiro). Há uma necessidade, urgente, de se conscientizar as pessoas quanto ao devido descarte de materiais plásticos. Em caso contrário, será o caos para a natureza. Aliás, já está sendo. E não é só no Recife não. É no mundo. Tanto que o assunto (plásticos nos oceanos) vai ser levado à Conferência Mundial da Onu para o Meio Ambiente, que acontece no Quênia, entre os dias 11 e 15 de março. O objetivo: impor restrição ao uso desse material tão nocivo ao Planeta. Vamos fazer o que os ambientalistas estão recomendando: na praia, não volte para casa sem que tenha recolhido, pelo menos, três objetos de plástico.

Leia também:
Mar: mais plástico do que peixes em 2050
Dia Mundial das Áreas úmidas passa em branco no Recife
Plásticos viram vilões de tartarugas
Quatro milhões de canudos a menos no mercado: tartarugas agradece
Mutirões espontâneos contra o lixo 
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na defesa do meio ambiente

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.