“Azul e rosa na folia dos laranjais”

Agremiação que surgiu no século passado, durante a ditadura – e contemporânea de Eu Acho é pouco, Sai na Marra (PC do B), O Bêbado e o Equilibrista (PCB), entre outros – a Troça Carnavalesca Independente Nóis Sofre Mais Nóis Goza não perde o humor. Em 2019, o tema  escolhido pela troça é “Azul e Rosa na folia dos laranjais”.  E a marca da ironia está na ilustração das camisetas do cartunista Lailson que, desde a década de 1970, cria as ilustrações da troça. Durante  os 43 anos de existência da troça, Lailson criou 37 desenhos para as camisetas do Nóis Sofre.

Nem é preciso explicar o porque do Azul e Rosa, já que essa foi uma das mais célebres e polêmicas “pérolas” pronunciadas em Brasília, em 2019, com o início da atual gestão presidencial. Já as laranjas, também têm o seu significado e basta ler o noticiário para descobrir o motivo da abordagem sobre a fruta.  A troça surgiu por força de intelectuais que se encontravam na extinta Livro 7, na Rua Sete de Setembro, no Bairro da Boa Vista. E também como uma forma de protesto em uma época em que a ditadura imperava e qualquer reunião de rua era vista como “suspeita” pelos militares.

Assim, os blocos e troças anárquicas  agregando milhares de pessoas. Ficaram célebres os concursos de fantasias realizados pela agremiação, na Rua Sete de Setembro, quando o que contava para a pontuação não eram o excesso de plumas, lantejoulas nem paetês tão comuns no carnaval. Mas sim a sátira política e social. As camisetas do Nóis Sofre são alvo de colecionadores e há foliões que colecionam desde a primeira, pintada a mão. Elas estão a venda por R$ 25, na Banca de Revista do Manoel (esquina da Av Conde da Boa Vista com a Rua Sete de Setembro); e no Restaurante Confraria do Poeta e na Lanchonete Cascatinha, ambas localizadas na Sete de Setembro.  Também podem ser adquiridas pelo WhatsApp 999308939.

A concentração do Nóis Sofre Mais Nóis goza acontece a partir de uma da tarde, na Sete de Setembro, onde acontece baile popular no início e no final da tarde, depois do desfile da troça, pelas ruas da Boa Vista. O percurso é o menor feito por agremiações carnavalescas do Recife: Sete de Setembro, Riachuelo, Aurora, retorno para a Sete de Setembro, onde o frevo corre solto, no meio da rua. Em 2018, a troça contou com a presença do Maestro Israel de França, que executou a Nona Sinfonia de Beethoven, em plena folia de carnaval, no meio do frevo. Muita gente se emocionou.

Leia também:
Frevo com Beethoven no Nóis Sofre Mais Nóis Goza
Violino no Nóis Sofre Mais Nóis Goza
Nóis Sofre ironiza a “ratoeira”
À espera de Zé Pereira
Ze Pereira festeja cem anos no Recife

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.