Caetés: de lixão a estação ecológica

Com 157 hectares, a Estação Ecológica (Esec)  Caetés foi a primeira unidade de conservação estadual em Pernambuco. Localizada no município do Paulista, na Região Metropolitana, está completando 27 anos. Para marcar a data, a Agência Estadual de Meio Ambiente (Cprh) iniciou  um movimento com o tema “Quem ama cuida”. O objetivo: melhorar o entorno da unidade de conservação e motivar a população para preservar a área verde que, por pouco, não virou um lixão. O projeto, realizado em parceria com as prefeituras dos municípios de Abreu e Lima e do Paulista, conta com a  participação de representantes do conselho da Estação e moradores de áreas próximas.

“Ao invés de lixo, vida. Estamos transformando essa área do entorno da Estação, onde costumam depositar lixo, em uma área verde. Plantamos mudas de ubaia, pau-brasil, pitanga e de jenipapo. E estamos só começando”, comenta Sandra Cavalcanti, gestora da  Estação Ecológica de Caetés.  Revela, ainda, que em março, nada menos de mil mudas nativas da Mata Atlântica serão plantadas ali.

A UC está localizada em um área que poderia ter sido transformada em  aterro sanitário,  na década de 80, se não fosse o empenho da Comunidade de Caetés I, de associações ambientalistas e de outras entidades, que protestaram  contra o projeto. A criação da Esec  tem como objetivos a proteção e a conservação da vegetação, de plantas raras, em perigo ou ameaçadas de extinção. Além de contribuir para proteção dos recursos hídricos, a  UC  é local de atividades de educação ambiental conservacionista e de investigação científica, através de pesquisas sobre suas rica diversidade.

Leia também:
Devastação gera embargos em Paulista
As matas de cimento em Paulista
Brumadinho: 125 hectares de florestas e vidas humanas destruídas
Servidor  federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Paulista ganha árvores nativas
Matas estão sumindo em Paulista
O lado humano dos macacos

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação/ Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.