Mar: mais plástico do que peixe em 2050

Vai de mal a pior, o nosso planeta. A Mãe Terra está doente. E doente, também, estão seus lagos, riachos, rios e oceanos. Quem viu as montanhas de plásticos na praia de Boa Viagem – Zona Sul do Recife –  no último final de semana, sabe de que estou falando. E quem vai a Olinda – na Zona Norte – admirar o luar, percebe que a espuma das ondas se confunde com sacolas brancas de plástico. Um horror. Caso persista a ação predatória do homem – atirando plásticos em rios e mares – até 2050, esses materiais estarão em quantidades maiores nas águas do que os próprios peixes. Então, a situação é muito grave.

Para evitar que o problema piore, a WWF está iniciando uma campanha global colhendo assinaturas, para solicitar à ONU que crie regras para reduzir a poluição provocada por esses materiais. Imaginem só que triste realidade: a cada ano, 8 milhões de toneladas de plásticos são atiradas nos oceanos. E não é só no Brasil não. Em alguns países, como a Austrália, filtros vêm sendo colocados nos caminhos dos rios, para “segurar” os plásticos, evitando que cheguem no mar. Logo ali, onde o turismo sustentável é citado como exemplo no mundo. De acordo com a WWF, nada menos de 90 por cento das aves, hoje, têm algum fragmento de plástico no estômago. E o que dizer das tartarugas e dos peixes, que vêm morrendo sufocados?

Cenas como esta são cada dia mais comuns em nossas praias, por conta de plásticos jogados ao mar. Tartarugas sofrem mais. (FB)

Não moro perto da praia e não sou bióloga nem pesquisadora. Mas amo a natureza. E aqui onde resido, no bairro de Apipucos, ainda restam áreas arborizadas. Na minha casa, há sempre um ninho de pássaros. Há épocas em que eles somam três, simultaneamente. Pois já observei uma mudança dos materiais desses ninhos. Antes, eles usavam apenas palhas, folhas. Porém já observei fundo de ninho forrado com tirinhas de plástico. Lembro até a cor: azul, a mais frequente nas lixeiras domésticas. De acordo com a WWF, apenas nove por cento dos plásticos são reciclados. Ou seja, problemão para a natureza. “O plástico está em todas as partes e vem sufocando silenciosamente o Planeta”, adverte a WWF, que quer pressionar a ONU para reduzir o tamanho desse descalabro.

A petição exigindo medidas que reduzam a poluição provocada pelos plásticos será apresentada em Nairobi (Quênia), durante a Assembleia Mundial da ONU para o Meio Ambiente. Entre os países que já aderiram à campanha estão:  França, Alemanha, Holanda, Grécia, Dinamarca, Singapura, México, Brasil, Argentina, Chile, Hungria, Bolívia, Finlândia, Portugal, Espanha, Índia, Marrocos, Itália, Peru, Filipinas, Guatemala, África do Sul, Coreia. Também Estados Unidos e Brasil, apesar de Trump e Bolsonaro, presidentes que não mostram muito zelo pela questão ambiental.

Leia também:
Litoral Sul terá área de proteção marinha
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na defesa do meio ambiente
Mais proteção para o Litoral Sul
Colete três plásticos na areia
Quatro milhões de canudos a menos no mercado
Plásticos viram vilões das tartarugas
Mais proteção para a Apa de Guadalupe

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Fotos:  Letícia Lins e Fernando Batista/ cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.