Itamaracá tem “Praça do Poeta” que cantou a ilha em prosa e verso

“A ilha me atraía com seu ímã e sempre me chamava com seu búzio – sua “pedra sonora” –  que era o mar. Recordo quando, da primeira vez, eu vi o mar aberto nos meus olhos e o mar me viu com seu olhar de água”. Era assim que o poeta Marcus Accioly (1943-2017) se referia à Ilha de Itamaracá, onde morou nos últimos 17 anos. Ali, contemplava a natureza e se dedicava à sua produção literária. Por diversas vezes, a ilha aparecia nos seus escritos.

“Nunca entendi porque Robson Crusoé deixou sua ilha”, dizia. E deduzia: “Talvez lá não tivessem as mangas jasmim ou primavera, da lenda de Dona Sancha, nem a própria Dona Sancha, aos 15 anos. Talvez lá não tivesse Lia, nem a sua ciranda aos pés das ondas”, afirmava ele, em artigo publicado na imprensa do Recife, em 2017. Lia, todos sabem,  é a rainha da ciranda, um dos ícones da cultura popular de Pernambuco, e que mora na Ilha. Já Dona Sancha é uma história que virou lenda.

Contam que no século 17, pelos idos de 1631, Sancha Coutinho tinha 15 anos, quando foi pedida em casamento, por Antônio Homem Saldanha. Os abastados pais da moça formosa impediram o matrimônio. Desgostoso, Antônio se alista no Exército e parte para a guerra. Anos depois, reaparece com trajes religiosos. Ao reconhecer o amor de sua vida, Sancha morre de emoção. Depois de enterrada, em sua cova nasce uma mangueira generosa, cujos frutos passaram a ser apreciados pela população da Ilha.

Cheia de lendas e com muita história, Itamaracá  é também poesia. E retribui o afeto que Marcos Accioly devotou à Ilha que escolheu para morar. Sua viúva, Glória Dalla Nora (Dolly), inaugura no próximo dia 16, a Praça Poeta Marcus Accioly, que fica no Forno da Cal, ao lado da casa onde o casal vivia.  A própria população já chama carinhosamente o lugar de Praça do Poeta. A agora área  verde (antes tomada pelo lixo), ganhou fruteiras, plantas ornamentais, pássaros e borboletas. E já virou um ponto de convivência e um dos locais preferidos pelo público, para tirar fotografias. Até noivas já usaram a Praça como cenário para álbum de casamento.  A transformação oficial do local em praça já foi aprovada, por unanimidade, na Câmara Municipal de Itamaracá, por proposta do vereador Germano Andrade de Oliveira. A festa de inauguração, no próximo sábado, contempla uma estátua do poeta (feita por Jurandir Maciel) e um painel (confeccionado por Francisco Brennand), com poema de Marcus Accioly. Entre os livros deixados por Marcus Accioly constam Latinoamérica, Cancioneiro, Narciso, Érato: 69 poemas eróticos e uma Ode ao vinho, entre outras. Ele integrou a Academia Pernambucana de Letras.

Leia também:
Lia: livro e ciranda no Recife
A fonte que faz “véia virá minina”
A estátua que fala do Boca do Inferno
Cemitério desafiou leis do século 19
Raimundo Carrero no Sebo da Casa Azul 

Serviço:
O quê: Inauguração da Praça Poeta Marcus Accioly
Onde: Av. Beira Mar (na esquina com a Rua Walter Jabotá), Praia Forno da Cal, em Itamaracá
Quando: Dia 16 de fevereiro
Horário: 15h
Acesso: Livre

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.