Olinda: Embarque na história de toyota

Nessa época de pré-carnaval, com Olinda já cheia de turistas, uma boa recomendação para quem quer conhecer a cidade histórica é recorrer a um dos toyotas da Olinda Aventura. Estou entre os que acham que a melhor forma de conhecer uma cidade é andando e parando, como fiz no último final de semana, acompanhando grupos do Andarpé e do Caminhadas Culturais.  Mas tem quem quem prefira o passeio motorizado.

Isso porque há pessoas que cansam, não suportam o calor, têm preguiça de subir ladeira, são  idosas ou têm companhia de idosos com dificuldade de locomoção, ou estão com crianças. E aí, a melhor forma é apelar para os carrões coloridos, que percorrem o sítio histórico, com paradas em onze localidades, todas tidas como as principais atrações turísticas de Olinda. O roteiro não contempla, por exemplo, os bairros dos Milagres e do Bonsucesso. O primeiro faz parte de uma lenda interessante, que remete a uma seca, em pleno Litoral, no século 19. E no segundo, fica a sede do Homem da Meia Noite, o mais famoso boneco gigante de Olinda.

A Igreja da Sé é um ponto obrigatório de visita de todos os turistas que vão a Olinda. Na praça, ficam as tapioqueiras.

Entre os pontos com parada obrigatória encontram-se:  Rua do Bonfim, Largo dos Quatro Cantos, Mercado da Ribeira, Mosteiro de São Bento, Mercado Eufrásio Barbosa, Praça de São Pedro, Rua do Amparo, Ladeira da Misericórdia, Alto da Sé, Largo de São Francisco (onde fica a Igreja de de Nossa Senhora das Neves) e Fortim do Queijo. Na Rua do Amparo, dê uma fugidinha do grupo e visite os ateliês de Isa do Amparo (pintura em tecidos) e Sérgio Vilanova (pintor que tem tudo a ver com Olinda). Os dois podem render boas e diferenciadas compras.

A saída dos toyotas é da  Praça João Pessoa, 19, no bairro do Carmo. O valor do passeio é R$ 25 por pessoa, e os toyotas circulam de 8h30m às 17h30. Diariamente. Os contatos podem ser feitos pelo telefone 081 (987055500). Nessa época do ano, já há muitos blocos nas ruas de Olinda, aos sábados e domingos. Principalmente aos domingos, na parte da tarde, o que tem levado a empresa a fechar mais cedo, já que o percurso motorizado se inviabiliza. Então, quem quer conhecer a cidade com calma, nessa época do ano, é melhor optar pelo passeio matinal, antes que as ruas fiquem entupidas de foliões. Reserve alguns trocados, porque no percurso há muito artesanato à venda, principalmente para souvenirs. E pechinche, se preciso for.

Leia também:
Olinda, sinos, fogos e bonecos gigantes
Depois da caminhada: Olinda é linda
Andarapé: entre o século 16 e o 21
Sérgio Vilanova: a cara de Olinda
Entre o sagrado e o profano, Homem da Meia Noite sobe o Morro
Dia de caminhadas no Recife e Olinda

Texto e fotos: Letícia Lins/ #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.