Recife: igreja, santo, orixá e carnaval

Em Salvador, os povos dos terreiros têm várias manifestações em comum com  Igreja Católica. A missa afro-baiana  ( conhecida como a Terça da Bênção) no Pelourinho, por exemplo, virou uma instituição e uma atração turística, que a cada terça-feira recebe maior número de pessoas. Lá, eu cheguei bem cedinho porque, caso contrário, ficaria em pé durante toda a liturgia.  Nela, os cantos tradicionais da Santa Madre se misturam com  o  rufar dos tambores do candomblé e as referências aos orixás, em sadio e respeitável sincretismo.

Em Pernambuco – onde a relação entre terreiros e igreja católica não é tão intensa quanto na Bahia – acontece uma curiosidade:  é cada dia mais íntima, a relação de agremiações carnavalescas com as instituições religiosas. Logo essas manifestações do carnaval, tida como a mais profana de todas as festas. Em Olinda, os dirigentes de agremiações carnavalescas são os mesmos que lideram irmandades da Igreja Católica. São eles, inclusive, que carregam bandeiras  e andores nas procissões pelas ladeiras da cidade histórica, durante a Quaresma, logo após recolhidas as fantasias. No último sábado, o Homem da Meia Noite subiu o Morro da Conceição, no Recife, para reverenciar Nossa Senhora e também Yemanjá, a quem ela corresponde no sincretismo religioso.  O Morro, que fica no populoso bairro de Casa Amarela, é hoje um dos mais importantes santuários de Pernambuco.  Foi uma festa de muita paz, com presença do profano (clima de carnaval) e do sagrado, este representado através da santa e do orixá (que têm datas diferentes de comemoração em 8 de dezembro e 2 de fevereiro, respectivamente). A roupa do calunga, inclusive, fazia referência às duas divindades.

Sem sua habitual fantasia, o Homem da Meia Noite vestiu o branco e o azul, em homenagem a Conceição e a Yemanjá.

Todos os anos, o Bloco da Saudade recebe a  bênção dos monges do Mosteiro de São Bento, em Olinda, cerimônia que virou tradição do carnaval da cidade histórica.  No Recife, a concentração para o desfile carnavalesco da agremiação é sempre em frente à Igreja Matriz da Boa Vista.  Na última quinta-feira, a Igreja das Fronteiras foi toda tomada pelo Bloco Lírico Artesãos de Pernambuco, entoando frevos como Madeira que Cupim não rói.  Domingo passado, um templo barroco, no caso a Igreja Madre Deus,  abriu as portas para abrigar o Bloco das Flores, com sua maravilhosa Orquestra de Pau e Corda (como vocês sabem, os blocos líricos usam instrumentos como flautas, violões, violinos, bandolins). O templo fica no Bairro do Recife.  Foi a primeira edição do ano do Projeto Música na Igreja, que acontece mensalmente, sempre com repertório erudito (ou tratamento erudito à música popular). O Projeto é uma das iniciativas órgãos públicos do Recife, e pelo qual tenho o maior respeito.

O espaço onde o público assiste às missas terminou virando um salão de festa. A orquestra contagiou  os presentes e, ao final da apresentação, o Bloco puxou a plateia para o meio da rua.  Foi muito lindo. O bloco, para os que não sabem,  é o mais antigo do Recife (fundado em 1920). E agora, uma sugestão do #OxeRecife: por que o Música na Igreja não fica semanal até o carnaval? Seria uma boa oportunidade para que turistas e os próprios pernambucanos se divertissem, aprendendo mais sobre o romântico repertório de frevos de bloco, já que o Recife é a capital brasileira onde essa tradição é a mais vicejante.   A orquestra executou canções próprias da agremiação. E também clássicos do frevo de bloco, como a Marcha da Folia (1924), e Madeira que Cupim Não Rói (1926) e O Último Regresso (1982), entre outros 18 sucessos carnavalescos. Cerca de 200  pessoas prestigiaram o evento. Bem que poderia ter sido muito mais.

Leia  também:
Homem da Meia Noite sobe o Morro da Conceição
Entre o sagrado e o profano, Homem da Meia Noite sobe o Morro
“O carnaval melhor do meu Brasil”
A única mestra do Maracatu
Católica bota Xangô na ordem do dia
Pastoril e frevo na Queima da Lapinha 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Andrea Rego Barros/ Divulgação/ PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.