Lixo nas Graças: entre a falta de cidadania e a omissão das autoridades.

Além de impor atendimento sofrível aos seus contribuintes e acumular déficit que só faz crescer – quem sabe, por conta de más gestões – o Inss tem incalculável patrimônio de imóveis espalhados pelo Brasil. Estima-se que cheguem a cerca de 3 mil.  Aqui em Pernambuco, são muitos. Idem, no Recife. E um deles vem tirando o sono dos moradores da Rua Antônio Novais, no bairro das Graças. Tanto que o condomínio do Edifício Bárbara, número 174, naquela via, acaba de entregar uma carta à gerência do Inss no Recife, solicitando providências. É que, abandonado, o terreno virou depósito de lixo, que se espalha pela calçada, gerando mau cheiro e proliferação de insetos.

Pior, de acordo com moradores, diariamente, carroceiros fazem despejos no local. A julgar pelo tipo de lixo ali jogado, eles estariam a serviço de restaurantes, clínicas e laboratórios farmacêuticos (ou farmácias). É muito estranho, também, que essas empresas não utilizem o serviço de coleta comum, e abusem desse tipo de expediente, com prática tão nociva à população. Cadê a cidadania desse povo?  O terreno está abandonado há 30 anos, e os abusos vêm crescendo. “Diariamente, esse terreno recebe nas suas duas frentes, uma grande quantidade de lixo e descartes diversos, trazidos e despejados ilegalmente por vários carroceiros”,  denuncia a correspondência, assinada pelo síndico Agenor Tenório.

Não é difícil para a Emlurb descobrir quem está financiando essa atividade dos carroceiros. É só querer. O #OxeRecife defende multa para os financiadores dessa seboseira e atividades mais dignas para os carroceiros: sobreviência.

“Esse lixo é potencialmente perigoso, pois provoca a existência de ratos, baratos e insetos, dengue, escorpiões que já estão migrando para as residências das redondezas. E também um local muito favorável à presença de pessoas desocupadas”.  E acrescenta a correspondência, que o terreno está em local próximo a pelo menos três colégios. “Além do risco de saúde e segurança, há o péssimo exemplo diário presenciado pelas crianças que é o descarte ilegal e responsável do lixo”. Na carta, o condomínio solicita providências urgentes. Informa que já apelou até para a grande imprensa, sem que, no entanto, alguma medida tenha sido tomada pelo órgão proprietário do imóvel. Um morador tentou seguir um dos carroceiros, para averiguar a origem dos detritos, mas não teve sucesso na missão. O terreno fica na esquina coma Rua Souza de Andrade.

“A Prefeitura do Recife, através da Emlurb tem enviado caminhões e mão de obra, que limpam o terreno à noite e, já no dia seguinte, as frentes do terreno estão novamente lotadas de lixo”. E conclui: “A raiz do problema continua”. Ou seja: terreno abandonado sem nenhuma providência de proprietário, nem fiscalização de órgãos competentes. O abuso é repetido, diariamente, sem que a Emlurb “aperte” para valer os responsáveis. Se a prática acontece todos os dias, não é difícil achar os cabeças da imundície. A boa educação recomenda o descarte de lixo nos locais devidos (onde estão os contratantes dos carroceiros?) e multas existem para punir os infratores. E por que, então não as aplicam? Desse jeito, gente, o Recife vai de mal a pior, com o lixo que se vê em todas as esquinas e que está fazendo da nossa cidade um verdadeiro chiqueiro.  O que é uma pena, pois o Recife é tão bonito… Imaginem a cidade bem cuidada, com ruas e praças limpas, e seus monumentos preservados… Infelizmente, a realidade está bem distante disso.

Leia também:
O Recife e os porcalhões
Emlurb limpa mas não multa porcalhões
O que é a sujeira no mundo?
No volante, e jogando lixo na rodovia 
O Recife precisa é de carinho
O Recife e os porcos urbanos
O porco bicho e o porco humano
Ecoponto: “Tudo junto e misturado”
Colete três plásticos na areia

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cortesia do leitor

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *