Que tal mudar de operadora?

Você conhece alguém que  não tenha nenhuma queixa devido a problemas de telefonia?  A julgar pelos números, deve ser grande a quantidade brasileiros insatisfeitos com a qualidade dos serviços prestados pelas operadoras. E de pernambucanos, também. Entre setembro de 2008 – quando a portabilidade começou a funcionar no Brasil – nada menos de 47,51 milhões de trocas foram solicitadas no país por usuários de telefones fixos e móveis. Não é pouco. Em Pernambuco, onde a portabilidade teve início em fevereiro de 2009, foram nada menos de 1,45 milhão de transferências de operadoras até o último dia de 2018.  Os números do Recife, em separado, não foram divulgados, pela ABR Telecom (Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações).

A ABR é a entidade é a administradora da portabilidade numérica. Das 1,45 milhão de transferências realizadas em Pernambuco, 27 por cento (395,29 mil) ocorreram entre usuários de telefones fixos e 73 por cento (1,06 milhão) com telefones móveis (que são um problemão, “caiu o sinal”). Só no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2018, em Pernambuco, foram registradas 131,78 mil migrações, sendo 28,05 mil (21%) na telefonia fixa e 103,72 mil (79%) na móvel.  O usuário de serviço telefônico que deseja realizar a portabilidade numérica deve procurar a operadora para onde ele quer migrar e fazer a solicitação. Não é difícil. Até porque a empresa que lhe atende, tem todo o interesse em ganhar mais clientela. A migração só pode ser realizada de serviço móvel para móvel, ou fixo para fixo, e dentro da abrangência do mesmo DDD. O regulamento da portabilidade numérica determina que, entre os critérios a serem atendidos para efetivar a migração, o solicitante deve, em primeiro lugar, procurar a operadora para qual pretende transferir sua linha.

Em seguida: informar à operadora de telefonia que recebe o pedido, o nome completo; comprovar a titularidade da linha telefônica; informar o número do documento de identidade; informar o número do registro no cadastro do Ministério da Fazenda, no caso de pessoa jurídica; informar o endereço completo do assinante do serviço; informar o código de acesso; informar o nome da operadora de onde está saindo. A operadora para a qual o usuário deseja migrar fornecerá um número de protocolo da solicitação a fim de que ele possa acompanhar o processo de transferência. O tempo de transferência para efetivação da portabilidade numérica é de três dias úteis ou após esta data, se o usuário desejar agendar. Para desistir da portabilidade numérica, o usuário tem dois dias úteis, após sua solicitação de transferência, para suspender o processo de migração. E, se preferir, pode acompanhar o processo pelo site  Telecom http://www.abrtelecom.com.br .

Leia também:
“Atendimento robótico não satisfaz”
Quem é pior? A vivo ou a Oi?
MP aperta correio
Uol sem e-mail há 24 horas. Pode?

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.