Lia, livro e ciranda no Recife

Se citarmos Maria Madalena Corrêa do Nascimento, com certeza, muita gente vai dizer que nunca ouviu falar. Mas se perguntarmos sobre Lia de Itamaracá, não há quem não conheça. A cirandeira que fez das ondas do mar uma eterna inspiração, ganha homenagem à altura da importância que representa para a cultura de Pernambuco. Nessa sexta (11), será lançado livro sobre a artista popular. Lia de Itamaracá – 75 anos Cirandando com Resistência, Sorrisos e Simplicidade é o nome da publicação. O autor é o jornalista Marcelo Henrique Andrade. A tarde de autógrafos acontece a partir das 17h30m, no Sinspire Hub, na Rua da Guia, 234, no Bairro do Recife.

O livro, na verdade, foi a dissertação de mestrado do jornalista, defendida na Universidade Federal da Paraíba. E valeu a pena amplificar o trabalho. Lia precisava mesmo de uma biografia, que contasse a sua história, desde os tempos de infância até a idade adulta, quando cirandeira já famosa, passava dificuldade e trabalhava como merendeira em um escola da Ilha onde nasceu e se criou em Pernambuco. As penúrias financeiras eram tantas, que sua casa estava quase caindo. Além do livro, haverá inauguração de exposição de fotografias sobre a cirandeira.  E também muita música, com a presença de artistas como Claudionor Germano, André e Carla Rio, Ed Carlos, Karina Spinelli, Daúde, entre outros.

Claro, não poderia faltar uma roda de ciranda, comandada pela homenageada. Na década de 1970, a ciranda virou dança da moda, e movimentava as noitadas do Pátio de São Pedro, então recém revitalizado. Também havia disputadas  rodas da dança litorânea na praia de Jaguaribe (em Itamaracá) e no Janga (Paulista), onde ficava a famosa Ciranda de Dona Duda.  No sábado (12), a festa prossegue,  para comemorar o aniversário de Lia, em Itamaracá. A programação tem início às  16h30m, com concentração de cortejo que inclui alegorias de mão, passistas e participação de blocos de Olinda e Recife, como O Homem da Meia Noite e O Galo da Madrugada, com quem Lia divide a festa. O cortejo deve chegar por volta de 17h30m ao Centro Cultural Estrela de Lia, onde se apresentam doze atrações. A festa só termina na tarde do domingo.  A festa para nossa maior cirandeira tem patrocínio da Jeep.  Lia merece!

Leia também:
O mané gostoso de Saúba
O mundo fantástico de J.Borges
J.Borges lança três álbuns inéditos
História do meu povo vira livro
A epifania dos pífanos
Pastoril é sonho de infância de Dona Lourdes

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *