Cadê a saúde pública? E as placas educativas?

Amanhã é dia de banho de mar para muita gente. E também da farra de cachorros na praia, que parece não ter mesmo trégua. E há de todos os tamanhos. Não tenho nada contra totós. Mas a presença de animais é proibida por lei estadual em todo o Litoral de Pernambuco. Isso porque tanto eles podem avançar nos banhistas, como são um risco para a saúde da população, já que seus bem educados donos deixam os “carimbos” na areia da praia. No último final de semana, cruzei com uns 20 animais de todos os portes na praia de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Mas só vi dois homens com o saquinho, para apanhar as fezes dos seus pets.  Menos mal, nesse caso. Mas, sinceramente, é muita omissão do poder municipal. Cadê a fiscalização? Cadê a saúde pública? Cadê o cuidado com a população?

Na Zona Norte, o Parque Urbano da Macaxeira  é aberto a cães. Mas possui placas disciplinando a presença dos caninos na área pública. Agora pergunto: Por que não há placas, também, nas praias de Boa Viagem e Pina, informando à população que é proibida a presença de cachorros na areia ou no mar, já que é completa a omissão da saúde pública na areia da praia?  Placas, pelo menos, poderiam intimidar um pouco os indisciplinados donos de cães.  Como as autoridades não fiscalizam, custa nada botar uma plaquinha, so para lembrar aos cidadãos de que a presença de animais na areia é proibida? No Macaxeira, logo à entrada, se observa “Regras de Animais no Parque’. No cartaz, pede-se aos donos que conduzam “os animais com guia e coleira” e que “cuide para que não se deixe nada para trás (no caso, as fezes que tanto emporcalham calçadas e praias).

Parque da Macaxeira tem placa disciplinando uso para de cães, mas em Boa Viagem, bagunça é grande: cocô na areia..

Também no Parque, há um elenco de oito raças – incluindo dogue alemão, rottweiler, pit bull terrier – que devem ser conduzidos com guia curta e focinheira. O que não acontece na praia, onde a gente vê animais de grande porte, “brincando” com os donos, soltos livremente na areia, assustando inclusive banhistas adultos e crianças. Aqui no #OxeRecife tem chegado relatos de pessoas que sofreram agressões, por parte de cães soltos no Pina e em Boa Viagem. E há quem reclame, também, da grosseria dos proprietários, que ignoram a lei e os apelos dos banhistas, para que não soltem seus animais onde não devem. Ou que, pelo menos, coloquem focinheiras nos maiores e mais agressivos.

No Parque da Macaxeira,  é explicado o tamanho e o peso dos animais aos quais são impostas restrições. E em Boa Viagem? Lá, a concentração e o número de pessoas é muito maior. Mas disciplina que é bom, nada. E os banhistas se defrontam com cães, de todos os tamanhos. A maior parte dos grandes, com coleira. Mas, também, há imensos, correndo sem nenhuma amarra. Fiscalização? Zero. Ou seja, igual àquela que não pune vendedores que jogam lixo na areia, onde não devem. As reclamações mais frequentes são sobre animais de grande porte  soltos (apesar da proximidade dos donos) e sujeira que deixam na praia: cocô para se pisar na areia, para contaminar as pessoas, principalmente as crianças, que costumam fazer castelos à beira-mar. Cadê o poder público, que não faz nada? Lei é ou não para cumprir? Porque o Parque tem placa e a praia, não? Difícil saber.

Leia também:
“O saquinho é só enfeite”
Cães e praia:”Ninguém faz cumprir a lei”
Cães na praia: ninguém cumpre a lei
Terra sem lei em Boa Viagem
Intercity aceita hóspedes com totós
Campanha Vizinho Legal está nas ruas
Casa Amarela tem campanha ECOcô
Feirão de adoções de totós
Startup resgata 2 000 gatos de rua

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.