“Fiscal” eletrônico contra devastação

 

Depois do Arborize – aplicativo que permite à população monitorar as árvores urbanas do Recife – agora são as matas de Pernambuco que estão prestes a  ganhar uma nova ferramenta para sua proteção. É o Mapbiomas, um sistema de alerta de desmatamento ilegal, desenvolvido com uso de satélites e ferramentas do Google Earth Engine.

A ferramenta possibilitará reforço importante no combate ao desmatamento em Pernambuco, e também um acompanhamento mais eficaz dos planos de restauração de áreas degradadas, normalmente executados a partir de acordos de compensação ambiental. O sistema poderá monitorar degradação de áreas de Mata Atlântica, como vem ocorrendo em Paulista, onde o bioma está sendo coberto com cimento em áreas destinadas à construção de condomínios (foto).

O desenvolvimento do protótipo voltado para as necessidades específicas de Pernambuco é fruto de acordo de cooperação técnico científica entre a Agência de pesquisadores da Universidade Estadual de Feira de Santana e o MapBiomas, Projeto de Mapeamento Anual de Cobertura e Uso do Solo no Brasil. A rede colaborativa possui especialistas em biomas, usos da terra, sensoriamento remoto, informações geográficas e ciência da computação.

O início da execução do projeto está previsto para o primeiro trimestre de 2019 aqui em Pernambuco, com o treinamento de equipe da Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh).  Infelizmente a validade do Projeto é só até 2021.  A Cprh pretende, com a parceria, que sejam desenvolvidas ferramentas específicas para a área da caatinga. O bioma característico do Semi-Árido do Nordeste é único no mundo, mas enfrenta processo de degradação acelerada, principalmente no Sertão do Araripe onde são muitas as calcinadoras de gipsita (gesso), que utilizam lenha nos seus fornos.

Leia também:
Flora do Sertão sofre ameaça
Em nome do São Francisco e do Sertão
As “matas” de cimento de Paulista
O estrago do bambu na Mata Atlântica
Matas urbanas do Recife em discussão
Desmatamentos ilegais em Aldeia 
Devastação gera embargos em Paulista 

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *