A Maria Fumaça que quase vira sucata

Uma graça, essa Maria Fumaça aí da foto, não é? Em Pernambuco, onde trem agora é peça de museu, é bom lembrar o caso dessa máquina que, por pouco, não virou sucata. Ela foi dos tempos áureos da agroindústria açucareira em Pernambuco. E pertenceu à extinta Usina Central de Barreiros, que teve aquela que chegou, na época, a ser considerada a maior malha ferroviária particular do Brasil: 113 quilômetros.

E a máquina a vapor cumpria sua missão: levava sacas de açúcar até a praia de Gravatá, em São José da Coroa Grande, de onde elas seguiam – em barcaças – para Maceió e Recife. Isso, no início do século 20. Com  a decadência do parque açucareiro e a falência da Usina, a locomotiva foi colocada na Praça do Rosário, naquele município ( localizado a 123 quilômetros do Recife), e vizinho à cidade de Barreiros.

Mas ao invés de preservada, a relíquia passou a ser saqueada, principalmente as peças de bronze. Também era usada por drogados e até como “motel”, por quem não tinha dinheiro para pagar um espaço convencional para fazer amor. Ou seja, virou um desconforto para as autoridades do município. Resultado: a máquina ia ser banida do local,  com pedaços vendidos como ferro velho, a preço de banana. Mas por pressão de alguns cidadãos de São José, terminou doada ao Museu do Una, que fica no Distrito de Várzea do Una, no mesmo município.

A locomotiva foi fabricada em 1926, sua marca é Coupert Louvert, e veio da França. “Era a número 12 da Usina”, lembra o engenheiro Bertrando Bernardino, que  reside no bairro de Casa Forte, no Recife, mas que veraneia há décadas no Litoral Sul. Foi ele quem fundou o Museu do Una em 2000 e o mantém até hoje, com recursos próprios. A máquina foi desmembrada em 62 pedaços, remontada e recolocada no jardim do Museu. Já passou por duas restaurações. Pelo menos, a locomotiva teve destino melhor do que a Usina, cujo maquinário foi desmontado e vendido como ferro velho. Veja outras peças curiosas, que integram o acervo do Museu do Una:

Leia também:
Bonde virou peça de museu
Trem virou saudosa memória em PE
No metrô, com saudade do velho trem
O homem que criou e mantém um museu
Que saudade do apito da locomotiva

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Fotos: Bertrando Bernardino / Divulgação/ Museu do Una

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.