Acordo na Justiça para algozes de Marlim Azul, peixe em extinção

Haja gente sem noção. E dessa vez não é no asfalto, mas no mar. O Ministério Público Federal de Pernambuco ajuizou ação penal contra cinco pescadores profissionais e o dono de uma embarcação pela pesca irregular de um Marlim Azul de 250 quilos. O proprietário do barco é dono de badalada pousada no Arquipélago de Fernando de Noronha,  santuário ecológico localizado a 543 quilômetros do Recife.

O peixe  está entre as espécies ameaçadas de extinção, e sua captura é proibida. Coitadinho: ele foi recolhido ao barco já morto, depois de quatro horas resistindo à sanha assassina dos seus algozes. Pensem em um sofrimento! O crime ambiental ocorreu em janeiro de 2017. E, desde então, o processo rola na Justiça. Pior: não tinha ninguém inocente ou desavisado nessa história. De acordo com os depoimentos dos envolvidos, tanto os pescadores quanto o proprietário da embarcação sabiam que a pesca do Marlim Azul é proibida. Ou seja, ganância maior que consciência.

A espécie consta de portaria do Ministério do Meio Ambiente como ameaçada de extinção e, portanto, deve ser preservada. Segundo norma da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República, ao fisgar um animal desse tipo ainda vivo, deve ser feita a devolução imediata ao mar. Se já estiver morto, o peixe tem que ser doado a instituição beneficente ou científica. Conforme as apurações do MPF, os pescadores fisgaram o marlim ainda vivo no mar e fizeram contato com o proprietário da embarcação, José Maria Coelho Sultano, que garantiu o pagamento pelo pescado ilegalmente capturado. Foram feitas ainda fotos do peixe morto no porto de Noronha, quando a vítima foi exibida ao lado dos pescadores. Como um troféu!

O MPF propõe que os infratores façam um acordo com a justiça para compensar o crime ambiental. Mas em caso de reincidência, não haverá mais acordo. E aí, será a Justiça quem “fisgará”os pescadores. O MPF defende, ainda, que seja colocada placa no Porto de Fernando de Noronha com informações educativas sobre a proibição da pesca do Marlim Azul.  Por mim, se escreveria assim: “Pescar marlim azul, jamais. É crime”. De acordo com o Processo nº 0818312-14.2018.4.05.8300T – 13ª Vara Federal em Pernambuco, o dono da embarcação é José Maria Coelho Sultano, também proprietário da badalada Pousada do Zé Maria, em Noronha, que é  famosa pela fartura dos seus jantares, e por ser frequentada pela alta sociedade e artistas de cinema e TV. Além dele, respondem pelo crime ambiental os pescadores  Igor Pio dos Anjos, Fábio Pio dos Anjos, Alexandre da Cruz, Marcos Vinícius Murta de Oliveira e Rafael Santos Nascimento. Todos, sem exceção, sabiam que capturar o ameaçado Marlin é crime. Se você consumir um Marlim Azul, vai sobrar remorso tão grave quanto se tivesse comido pedaços de baleia, tartaruga, golfinho ou peixe-boi. Percebe a gravidade do caso?

Leia também:
Haja gente sem noção
Mais proteção para o Litoral Sul
Canal de Santa Cruz ganha aliados 
Deixem que vivam as baleias
“Colete três plásticos na areia”
Comer lagosta ovada é não ter coração
Disciplina para barcos no Litoral Sul

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Foto: Internet

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.