Pontes ainda vão esperar por reparos

Não é de hoje que pedestres, barqueiros, motoristas de táxi e moradores do Recife em geral se queixam da falta de manutenção em nossas pontes. Mas até a semana passada, tudo que os recifenses sabiam a respeito do assunto, por parte dos órgãos oficiais, era o silêncio. Mas o estado precário delas pipocou nas redes sociais, até com advertência para o “risco de morte” que algumas  representam: estruturas em desgaste, trincas, ferragens à mostra, corrosão visível nas colunas de sustentação. Chocantes, as imagens circularam com a rapidez de um furacão, via WhatsApp, principalmente.

Só no meu celular, foram seis entradas, enviadas por pessoas diferentes, em um mesmo dia. Vindo de amigos, desconhecidos, profissionais de setores variados como a medicina e salão de beleza. “Evitem passar pela Ponte da Torre. Situação muito precária e passível de desmoronamento”, diziam as mensagens. Resultado, depois que as imagens viralizaram, a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) convocou a imprensa, para informar programa de recuperação das pontes do Recife. O encontro com os jornalistas foi na última sexta-feira. Os reparos, no entanto, vão demorar. Porque nesta semana deveria ter sido lançada licitação para as obras das Pontes do Derby  e de Motocolombó (esta, em Afogados), mas até essa sexta-feira (14), ela não havia sido publicada no Diário Oficial do Recife.

Até mesmo as pessoas leigas, que não entendem de construção, percebem que a situação das nossas pontes é ruim.

De acordo com a Emlurb, deverão ser investidos mais de R$ 20 milhões, nas obras de recuperação daquelas duas pontes. Como se sabe, esses processos são longos, burocráticos e, muitas vezes, têm os custos previstos questionados pelo Tribunal de Contas do Estado. Em muitos casos, o TCE solicita revisão dos custos. Ou seja, as pontes e a população ainda terão muito o que esperar.  A Ponte da Torre – cujas fotos circularam com mais insistência nas redes sociais – só deverá ser contemplada depois. As fotos, no entanto, mostram desgastes que chocam os leigos. Não entendemos de estruturas em concreto, mas qualquer pessoa sabe que ferragens expostas, rachaduras, inclinações de colunas, tudo isso preocupa, claro.

A licitação para as obras da Ponte da Torre só deve acontecer em março de 2019. “Até o final de 2019, a Emlurb espera concluir os processos para recuperação estrutural de outras pontes”, informa a Prefeitura, garantindo que realiza “vistorias periódicas” nas 27 pontes do Recife. Se as “vistorias” são feitas e a situação é tão precária, imaginem se não ocorressem. “Nós acompanhamos de perto e, por esse motivo, já estávamos com a licitação pronta para ser lançada”, avisou o Presidente da Emlurb, Roberto Gusmão. Vamos esperar para ver, antes que pipoquem fotos de outras pontes, igualmente desgastadas.

Leia também:
Ponte restaurada e giratória que não gira
Lembram do Fícus da Rua da Aurora?
Recife: pontes e fontes de “miséria”
Olha! Recife: rio, ponte e boi voador
Colorido “degradê” na Ponte do Pina
O ferro na arquitetura no Recife

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Fotos: WhatsApp

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *