Livro oportuno sobre a ditadura (que para o presidente eleito, “nunca existiu”)

Em uma época em que o Presidente recém diplomado se nega a reconhecer que o Brasil viveu uma ditadura a partir de 1964, nada mais oportuno do que o livro a ser lançado nesta semana, pelo jornalista e escritor Homero Fonseca.1968: Abaixo as ditaduras. Homero é autor de outros livros de sucesso, como Roliúde e Tapacurá, Viagem ao Planeta dos Boatos. A noite de autógrafos de 1968, acontece na quinta-feira (13 de dezembro), a partir das 19h, no Museu do Estado.

A escolha da data faz alusão aos 50 anos da edição do famigerado Ato Institucional Nº 5 (AI-5), decreto baixado no Brasil ao final daquele ano, marcado por profundas transformações e mobilizações sociais, que o regime militar queria sufocar. Homero convidou oito reconhecidos nomes, a quem pediu para relatar as experiências vividas naquela época, assim como a visão de cada um a partir de um contexto particular, relativo às suas áreas de atuação.

O livro reúne depoimentos de Ester Aguiar (socióloga), José Almino Alencar (economista e sociólogo),  Socorro Ferraz (historiadora), Raul Córdula Filho (artista plástico), Lourival Holanda (professor);  Fernando Monteiro (cineasta e escritor), Marco Polo (compositor e jornalista) e Benjamim Santos (diretor e crítico teatral). Historicamente 1968 foi marcado por uma manifestação estudantil em prol das liberdades, com adesão de sindicatos de trabalhadores de várias categorias reivindicando melhores salários e menor jornada de trabalho.

Os protestos culminaram numa greve geral, a maior do país, situação enfrentada com a força, que acabava de vez com o estado de direito, tão essencial nos regimes democráticos. Nas ruas do Recife, manifestações eram reprimidas pela polícia com prisões e espancamento de estudantes. De acordo com o organizador, a combustão tomava proporções cada vez maiores em todo o País, na medida em que recrudescia a ditadura militar brasileira. De acordo com os editores, 1968:Abaixo as ditaduras chega a ser quase didático, e necessário  para os mais jovens compreenderem nossa história e para complementar o conhecimento dos mais velhos. Excelente iniciativa da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), nesse Brasil de memória tão curta e equívocos históricos, como os citados no início desse post.

Leia também:
Lição de história sobre a ditadura de 1964 no Olha! Recife
Cinemas dominados e poucas opções
Livro “Roliúde” chega ao Sambódromo
Boa viagem ao Brasil do século 17
Público tem acesso a acervo de 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz 

SERVIÇO
Lançamento 1968: Abaixo as ditaduras
Dia: 13 de dezembro
Hora: 19h
Local: Museu do Estado

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Arquivo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.