Matas urbanas do Recife em discussão

Com o verde cada dia mais comprimido devido à especulação imobiliária e ao avanço do asfalto em ruas e avenidas, as cidades precisam conservar suas matas urbanas, que funcionam como nossos pulmões. No caso do Recife, restam fragmentos de Mata Atlântica  – como no Parque Estadual de Dois Irmãos – mas mesmo sob proteção, essas áreas sempre correm risco. O que, então, fazer com elas? Essa é a reposta que o Inciti/ Ufpe procura em mais uma edição dos encontros Provocaçôes Urbanas. A pergunta para discussão é: “Matas do Recife – Como conciliar interesses?”

O início da discussão está marcado para 19h, na sede do Inciti, na Rua do Bom Jesus, 191, no Bairro do Recife. A reunião é aberta ao público, com acesso gratuito.”No evento, pretende-se refletir e dialogar sobre os interesses em torno das matas urbanas da capital pernambucana”, informa o Inciti. “Na ocasião, representantes dos setores de pesquisa, gestão governamental, movimentos sociais e ambientalistas irão apresentar suas perspectivas sobre os fragmentos florestais da cidade”, acrescenta a instituição, criada para proporcionar soluções criativas para problemas urbanos, ouvindo, sempre as necessidades da população para uma cidade melhor.

A abertura do Provocações Urbanas é com a jornalista Lenne Ferreira. O debate será mediado pelo biólogo Marcos Alves (professor da Ufpe). E terá participação do pesquisador Célio Rocha (vencedor do 29º Prêmio Jovem Cientista com o estudo Os valores naturais das unidades de conservação do Recife: Mata de Dois Irmãos e da Mata do Engenho Uchôa (foto). Também participam: Jô Cavalcanti (coordenadora nacional do Movimento de Trabalhadores Sem Teto – MTST) e codeputada estadual eleita para o mandato coletivo Juntas (PSOL). E ainda:  Maíra Braga (representante da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Sdsma); e Patrícia Caldas ( geógrafa e representante do Movimento em Defesa da Mata do Engenho Uchôa).Como provocação, os convidados serão estimulados a pensar sobre os  diversos interesses que atuam na questão das matas e as possibilidades de convergências  entre eles. Temas como conservação da natureza, habitação, desenvolvimento sustentável, subsistência, cultura e espiritualidade e exploração econômica devem ser abordados.

Leia também:
Conhecendo a Mata Atlântica 
O ar refrigerado da Mata sob o sol 
O estrago do bambu na Mata Atlântica
Prefeito destrói mata e pede acordo
Loteamento em mata protegida
Reforço para proteção de matas
Não deixe a Mata Atlântica se acabar
Matas devastadas em Paulista
As “matas” de cimento de Paulista

Serviço:
Provocações urbanas: Matas do Recife. Como conciliar interesses?
Quando: 28 de novembro de 2018
Hora: 19h
Onde: INCITI/UFPE – Rua do Bom Jesus, 191, Bairro do Recife
Mediação: Marccus Alves – Biólogo, professor do curso de Ciências Biológicas e do Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal da Ufpe.

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Foto: Inciti/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *