Passa Disco, quinze anos: “Arrisque”

Meu querido amigo Fábio Cabral de Mello–  que, como eu,  é louco por plantas e boa música – tem muito o que comemorar. A sua Passa Disco está completando 15 anos, e vai festejar em grande estilo na noite da quarta-feira, 28, a partir das 20h: com o lançamento de mais uma coletânea, a Arrisque, reunindo 18 faixas com nomes da nova música em Pernambuco. Todos jovens, e todos feras. Anote aí o endereço: Rua da Hora, 345, Espinheiro. Não deixe de ir. A entrada é grátis, e vai ter show com parte dos artistas que integram o CD.

E vejam só quem participa: Almério (Queria ter prá te dar), Geraldo Maia (O filósofo do trapézio), Jáder Cabral de Melo do Projeto Sal (Trem das almas),  Barro (Piso em chão de estrelas), Isadora Melo (Vestuário), Flara Ferro (Coisa mais bonita), Laura Klaus e André Macambira (Amor de folião), Romero Ferro (Hoje), Anaíra Mahin (Balada da Sibita baleada), Amaro de Freitas (Norte), Tibério Azul (O homem que nasceu amanhã), entre outros. Um brinde para o público. Desde que iniciou as atividades, em 2003, a Passa Disco pode se orgulhar de contribuir imensamente com nossa cultura. Durante esse período, somam oito as coletâneas lançadas pelo Selo Passa Disco. São elas: Pernambuco Cantando Para o Mundo (três),  Pernambuco Frevando Para o Mundo (duas),  Pernambuco Forrozando Para o Mundo (duas). E agora, para assinalar os 15 anos, a oitava: Arrisque.  Pelo mesmo selo, foram lançados CDs do Projeto Sal (Preocupação e Sem medo, sem freio, sem dor), de Zé da Flauta (Psicoativo), Cláudia Beija (Amarte), Xico Bizerra (Luar agreste no céu Cariri), entre outros.

Ao mudar-se para uma loja maior, no Espinheiro, a Passa Disco aumentou o mix de produtos: tem até plantas. Todas lindas.

Tem mais. Nesses 15 anos – entre o antigo endereço (na Estrada do Encanamento) e o atual (bem mais central, culturalmente mais arejado do a galeria comercial anterior) – foram 180 eventos de lançamentos de CDs, DVDs, LPs e livros. E com trabalhos de ninguém menos que Elba Ramalho, Lenine, Maciel Melo, Eddie, Tetê Espíndola, Bráulio Tavares, Jessier Quirino, Josildo Sá, Erasto Vasconcelos, Lula Queiroga, Silvério Pessoa. Incansável, Fábio  criou a Academia Passa Disco da Música Nordestina onde já prestou homenagens a 54 nomes da nossa cultura. Entre entre eles, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Capiba, Ariano Suassuna, Claudionor Germano. Somente.

Na festa da quarta, será feita homenagem póstuma ao compositor Nélson Ferreira.  Também nela constará exposição do artista plástico  João Lin, com as ilustrações criadas para a capa e o encarte da coletânea. Ao mudar-se para o Espinheiro, a Passa Disco ampliou seu mix de produtos: além da venda de CDs, DVDs, LPs e livros, também oferta artesanato, camisetas, ecobags e plantas ornamentais, essas cultivadas com o amor que Fábio sempre ao verde ( já teve empresa de jardinagem) até que decidiu dedicar-se quase somente à música. Como ama a natureza, continua cultivando-as e, agora, comercializando-as em endereço nobre.  Sim, com relação à música, o negócio é prestigiar a pernambucana nas coletâneas. E de boa qualidade, por sinal. Aliás, qualidade também é o que se vê nas prateleiras de sua loja. Um herói, nesses tempos de tanto lixo musical por aí.

Leia também:
Vamos todos à nova Passa Disco
Pedacinho de mim na Passa Disco
Passa Disco agora é no Espinheiro
Fábio: entre a Passa Disco e a natureza

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *