Recife: 4000 novas árvores em 2018?

Saravá! A Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Recife informa que em 2018, conseguiu alcançar a marca de 2.640 árvores plantadas no seu programa de arborização e que pretende fechar o ano com um total de “4.000 árvores” novas em nossas ruas, parques, jardins e avenidas. Mas será que haverá tempo e condições operacionais para atingir esse objetivo?

Plantio de mudas é sempre uma boa notícia em tempos de arboricídio. Mas é preciso questionar: se nos onze primeiros meses de 2018 (91 por cento do ano), foram plantadas 2.640 mudas (66 por cento de 4.000), será que haverá condições operacionais de atingir o número almejado em um período tão curto (equivalente a nove por cento do que resta do ano)?  Em caso positivo, parabéns para a Sdsma e… mãos à obra. E um lembrete: é preciso que a população fique atenta à qualidade das mudas, aos cuidados com as plantas, e ajude a ela própria, ao poder público, e ao Recife, evitando atos de vandalismo. Se o planta estiver perto de sua casa ou do seu escritório, arranje um tempinho para regá-la (isso é, se a Compesa deixar, porque água está ficando produto raro no Recife, e há cinco dias que não consigo regar nem mesmo parte do gramado da praça em frente à minha casa).

Tudo que o #OxeRecife e a cidade quer são ruas arborizadas e convidativas: paisagem se renova com flores do verão.

Informa a Sdsma, que  1.360 mudas serão implantadas até o final de dezembro. Destas, 500 começam a ser distribuídas nessa segunda-feira (26). Essa ação vai até a próxima sexta  (30). O plantio ocorre em conjunto com Emlurb (que, aliás, é quem mais guilhotina as árvores do Recife e tem o dever legal de repor em dobro tudo que erradica, mas nem sempre isso acontece).  Nos primeiros três anos da gestão atual, foram eliminadas 5 mil árvores das ruas do Recife, segundo informações oficiais passadas na época a esta repórter aqui (que nunca deixei de ser). Caso essa proporção se mantenha, ao final de oito anos de governo, o Recife terá perdido 12 mil 500 árvores. Mas os números atuais viraram uma caixa preta, pois já solicitei informações sobre o assunto à Prefeitura, mas nunca obtive resposta. Nem mesmo na audiência pública sobre o assunto, realizada na Câmara Municipal, esses números foram fornecidos. Cadê a transparência?

As espécies das novas árvores seguem indicações do Manual de Arborização do Recife.Entre as que serão plantadas por esses dias,  encontram-se: Pau-ferro, Caraibeira, Ipê roxo e rosa, Pau Brasil, Jacarandá, Sibipiruna e Pitangas. “O objetivo dessas ações, além de proporcionar beleza paisagística para a cidade, também é ampliar a criação de microclimas que amenizam as altas temperaturas no combate às ilhas de calor”, informa a Sdsma. O órgão oficial reconhece, enfim, que “algumas áreas no Recife concentram tais ilhas de calor devido à existência de poucos espaços verdes”. E o problema é grave. Nós que andamos a pé, e os ciclistas que o digam. Sombra que é bom, nada. E a cada dia é menor em nossas ruas. A Sdsma informa, ainda, que,  “neste contexto, a Prefeitura vem fazendo plantios em locais e refúgios onde é possível propiciar uma concentração de árvores, que favorecem o adensamento de verde para a diminuição da intensidade de calor na região”.  Vamos aguardar, para ver, gente. É bom que todo mundo fique de olho. Para o #OxeRecife, que faz campanha contra o arboricídio e a motosserra insana, é sempre confortante saber que árvores estão sendo plantadas.

Leia também:
Parem de derrubar árvores (138)
O Recife vai ganhar 2 mil árvores
Avenida Imbiribeira ganha árvores
Boulevard, árvores e ilhas de calor
“Sai dessa noia” plantando árvores
Selva de concreto, árvores e mutirão
Selva de concreto ganha compensação
Compensação pela selva de concreto
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Lei para conter arboricídio 
Compensação pelo arboricídio

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

2 comentários

  1. Por que não plantam mais árvores frutíferas em parques como o Treze de Maio e em praças como a do Derby? Em canteiros estreitos não seria legal se tivéssemos o plantio de frutíferas arbustivas como pitanga e acerola? E já que a matéria exibe um florido flamboyant, observa-se que a condição fitossanitária dos existentes no canteiro da rua da sol não é das melhores. Isso sem falar na condição dos gramados que ladeiam o Capibaribe no centro da cidade. Por que não são regados com regularidade?

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *