Wesley Safadão vai ser a cara da Pitú

As cifras devem ser milionárias. Mas os valores não foram revelados. Fazendo sucesso em todo o país, fenômeno de público – principalmente entre os mais jovens – o cantor Wesley Safadão vai ser o garoto propaganda da Cachaçaria Pitú, em 2019.  As peças publicitárias ainda estão em elaboração, sob responsabilidade da Agência Ampla e deverão rodar o Brasil no próximo ano. O contrato foi fechado nesta semana, entre o artista e o Presidente da Pitu, Alexandre Ferrer (foto).

“A contratação é importante para a empresa, pois visa levar a qualidade dos produtos Pitú cada vez mais longe, consolidando  sua marca entre os consumidores por todo o mercado nacional”, informa a assessoria da Pitú, empresa atuando há oito décadas no mercado.  Wesley foi até o  empresário, com quem fechou o contrato, no município de Vitória de Santo Antão, onde fica a indústria.  O município se localiza a 51 quilômetros do Recife.  Recentemente, Safadão passou pela França, Suíça, Portugal e Alemanha. A Pitú não informou, no entanto, se a campanha também se estenderá ao exterior. Como se sabe, a indústria pernambucana é a maior exportadora brasileira de cachaça, atuando em mercados como a Europa, Estados Unidos, Canadá, México, China, Japão, Índia, Emirados Árabes, Austrália, entre outros. Já Safadão tem  mostrado que sabe, e muito bem, multiplicar os seus níqueis.

Sempre diversificando os negócios, não limita sua atuação ao microfone. Recentemente envolveu-se e uma polêmica, ao tentar construir uma grande casa de eventos no Litoral Sul. O empreendimento foi acusado de desmatar vegetação nativa, em Porto de Galinhas. Confusão à parte, ele vem criando novos projetos e eventos temáticos, como o WS Sunset e o WS On Board.  O primeiro é  festa realizada ao pôr do Sol, que rodou importantes cidades do Nordeste, movimentando multidões. O segundo é  um cruzeiro (à moda Roberto Carlos), comandado pelo cantor, que foi sucesso de vendas e já está esgotado. O embarque será no próximo dia 24 de novembro para três dias de muita festa em alto mar.

Tomara que dê certo a empreitada da Pitú com Safadão. Até porque sendo Safadão um jovem artista, pode ajudara “modernizar” a marca de cachaça, que detém a segunda maior fatia nacional do mercado de aguardente. Eu não sou chegada a álcool. Mas tenho uma ligação afetiva com a Pitú, porque a indústria é uma das lembranças que tenho dos tempos de criança, em Vitória de Santo Antão, terra dos meus ancestrais, e à qual ia sempre, em companhia dos meus pais. Naquele tempo, o engarrafamento ficava perto da casa dos meus avós, e não havia ainda embalagens de alumínio para a aguardente. O cheiro da cachaça no ar é minha memória olfativa mais forte. Pois quando passo lá, em frente à sede da Pitú,  em Vitória, mesmo com o carro fechado e ar condicionado ligado, de repente, me vem à mente a sensação de que estou sentindo aquele mesmo cheiro que marcou a minha infância. Curioso, não é?  O olfato também tem memória.

Leia também:
O mergulho na obra de Osman Lins
Só dá mulher em Lisbela e o Prisioneiro
Lisbela e o Prisioneiro está de volta 
Dupla divina: Marina e Paulinho
Kizomba, Kaduro, Fananá e Frevo
Isabella Taviani: música vem do berço
Tal pai, tal filho
“Vou escalar todo o seu corpo”
Morais Moreira em dose dupla
O som de Pernambuco no Rio

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação/ Pitu

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *