“Maldade contra a árvore e contra o cidadão”

Pegou mal, mas muito mal mesmo, a iniciativa de uma empresa localizada na Rua Teles Júnior – entre os bairros das Graças e Rosarinho – que matou sem piedade uma mangueira em frente à sua sede, com treze furos e injeção de veneno. Por conta do crime ambiental, a Krause Corretora de Seguros foi multada em R$ 23 mil e terá obrigação de  erradicar o cadáver, plantar e cuidar de duas mudas, para compensar a árvore eliminada.

Os moradores daquela artéria se mobilizaram para evitar o catástrofe, mas não houve jeito de salvar a planta, porque foram utilizadas armas poderosas no “assassinato”, que atingiram o cerne da árvore. Aqui no #OxeRecife, onde a titular do Blog vive de olho nas árvores guilhotinadas ou erradicadas da cidade e cobrando sua obrigatória reposição, o assunto jamais poderia passar em branco. Até porque temos a campanha Parem de derrubar árvores em caráter permanente.

A mangueira sacrificada tinha 15 anos, frutificava, e dava sombra para pedestres e ciclistas que passavam no local.

Teve até leitor que sugeriu boicote aos serviços da Seguradora. Foi o que afirmou Júlio Viana, em mensagem ao #OxeRecife: “Divulgar o máximo possível”, aconselhou. E acrescentou: “Boicote à empresa assassina”. Membro do Observatório do Recife, do Movimento Olhe pelo Recife e nosso guia das Caminhadas Domingueiras, o urbanista e arquiteto Francisco Cunha atacou: “Absurdo”. Mesma definição dada ao ato assassino pelas leitoras Helena Amaral e Sílvia Patriota. Para Iêda dos Santos a iniciativa da Seguradora não passa de muita “maldade”. Lara Cristina defende que os responsáveis devam ir “para a cadeia”.

Para Ângela Almeida, quem matou a mangueira, é “um ser grotesco e sem noção”, e desprovido de qualquer tipo de “sensibilidade”. Viviane Junqueira disse não entender “como um ser humano” chega a uma prática desse tipo. E Marta Melo foi precisa nas consequências. “Maldade com a  árvore e contra o cidadão, que não aguenta mais tanto calor na nossa cidade”. Marta tem razão: a cada árvore eliminada, uma contribuição a mais para piorar o clima da cidade e o aquecimento global. Como se não bastassem, no Recife, a ação da motosserra insana e o arboricídio que a gente vê nas ruas. A empresa não distribuiu nenhuma nota justificando o injustificável.

Leia também:
Mangueira padece: furadeira e veneno
As mangas da vida
Manga rosa virou “relíquia” no Recife
Gramado verde mas… de plástico
Gramado sintético gera protestos
Parem de derrubar árvores (130)

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Fotos: Ângela Brainer / Cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *