Marcos e a saga do anum preto

Ia fazendo minha caminhada matinal, pela Rua Jerônimo de Albuquerque – em Casa Forte – na manhã da quarta-feira, quando me defrontei com um cidadão com uma caixinha de papelão, com quatro buracos. Achei que ele carregava um bichinho. Quando me aproximei, vi que tinha quatro letras  escritas com esferográfica na caixa: Cprh.

Aí, indaguei: “O senhor trabalha na Cprh?” Ele respondeu: “Não. É que caiu um passarinho no meu jardim, tentei alimentá-lo, mas ele travou o bico e estou levando à Cprh para ele mão morrer”, respondeu o homem. Seu nome: Marcos Ferreira de Lima, residente no bairro da Macaxeira, Zona Norte do Recife.  Ele foi caminhando até a Agência Estadual do Meio Ambiente (Crph), para entrega voluntária do bichinho, que caíra de um ninho. “É novinho, mas é brabo”, me disse ele.

Anum preto caiu  do ninho e foi recolhido por morador da Macaxeira, que levou a ave à Cprh, para que sobreviva.

Estava sem equipamento – nem mesmo telefone celular –  e não tive como fotografar tão bonita ação de tão interessante personagem, que encontrei ao acaso, no meio da rua. Felizmente, a Cprh – que sempre documenta entregas – fez a foto de Marcos e do passarinho, dando a oportunidade ao #OxeRecife de contar história tão exemplar. Marcos adora animais e durante um tempo manteve grande amizade com um gavião, que sempre baixava no seu quintal. Alimentava o animal com carne, e ele sempre estava por perto em busca do alimento, de acesso tão fácil.

O anum preto – ou anu – ocorre  em grande extensão das Américas. Ele pode ser visto da região da Flórida (nos Estados Unidos) à Argentina. No nosso país, aparece em todo o território brasileiro. Gosta de sol e toma banho de poeira, ficando com as penas pretas cinza ou cor de barro. Tem voo lento, e por esse motivo não voa bem em grandes áreas abertas. A ave anda em grupos e presta grande serviço à natureza, fazendo controle biológico de insetos como aranhas, gafanhotos, percevejos. Também come pequenas cobras, rãs e até pequenos ratos.

Leia também:
Jardim Botânico revela vida das aves
Com belo canto, sabiá volta à natureza
Como cuidar de animais silvestres
Quase 6000 aves resgatadas em 2007
Cipoma destrói rinhas de canários

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *