Atendendo a pedidos sobre a Aparauá

Depois que postei aqui informações sobre um passeio que fiz em trilha pelas matas do  antigo Engenho Massaranduba, hoje transformado em local de lazer (Aparauá Ecoaventuras), choveram indagações aqui no #OxeRecife. Perguntas do tipo: tem hospedagem? Tem local para acampar? Em que dias funciona? Paga para entrar? Na verdade, grande parte do que me perguntaram já havia sido dito em post anterior. Mesmo assim, já que a curiosidade é tanta,  vamos lá às respostas.

A Aparauá funciona aos sábados e domingos, mas caso haja um grupo grande, a visita pode ser agendada para o meio de semana. Não há hospedagem para pernoite, nem área para camping. Por enquanto, as visitas se limitam ao dia, pois o horário de funcionamento é de 9h às 17h. Durante sua permanência no local, você vai desfrutar de trilhas pela Mata Atlântica, de redes para descansar, barcos para passear, banho de rio, banho de bica (pela pressão, uma boa massagem para aliviar o esforço de trilhas, nem sempre fáceis). Há, também, serviço de restaurante e bar. Não é permitida a entrada de alimentos nem bebidas (para evitar descarte irregular nas matas). Durante meu percurso, de três horas, não vi uma só garrafa pet ou de vidro pela trilha, o que permite uma conexão mais íntima com o sabor da natureza.

E a entrada é paga sim. Ver no serviço abaixo. Preços vão de R$ 6 a R$ 12. A Aparauá oferece várias opções de trilhas. No nosso grupo com o Andarapé (que organizou um passeio ao local) havia gente de todas as idades. Quando o assunto é aventura, há trilhas especialmente desenvolvidas para trekking, bikes, motos e quadriciclos. O empreendimento oferece, também, opções para festas na floresta (brincadeiras criativas para crianças ou grupos de estudantes), encontros corporativos (anfiteatro natural e centro de convenções rústico para experiências ao ar livre) e até book fotográfico. O empreendimento fica em Goiana, município localizado a 60 quilômetros do Recife.

Já estive no local logo no começo da implantação.  E achei, na época, que tinha tudo para dar certo. E deu. Só que agora, o local tem boa infraestrutura: restaurante, barquinhos, redes para descanso, palhoças,  equipamentos náuticos. E, o que é melhor, estimula a educação ambiental. Em toda a trilha, a gente se defronta com alguns obstáculos, como raízes, troncos caídos em decomposição, como, aliás, ocorre em qualquer floresta. Mas em nove quilômetros de caminhada, fiquei muito feliz, mas muito feliz mesmo, por não ter visto uma garrafa PET ou um potinho de comida industrializada pelo chão. E viva a natureza!

Leia  também:
“A melhor conexão é com a  natureza”
Conhecendo a Mata Atlântica
Faça esse gol, beba na lata, ajude a mata
O ar “refrigerado” da Mata sob o sol
Dia de caminhadas no Recife e em Olinda
As saudáveis caminhadas de domingo

Veja a galeria de fotos da Aparauá – Ecoaventuras

Serviço:
O quê: Aparauá Ecoaventura
 (www.aparaua.com.br)
Onde: Rodovia PE-49, KM 20, Goiana telefones (81) 3234-4324 ou 9810922124
Quanto: R$ 6 (crianças) a R$ 12 (adultos) Quando: Segunda a sexta, de 9h às 17h (só com agendamento) ou sábados, domingos e feriados (9 às 17h) para o público em geral
O que levar: máquina fotográfica, tênis, toalha e roupa de banho, protetor solar e repelente (não levei este, mas não senti falta, não fui picada por mosquito).
Trilhas: há leves, médias e pesadas, por preços que vão  de R$ 6 a R$ 12. Trilha de bike custa R$ 6 por pessoa. Mas, a exemplo das demais, exige presença de guia. Há barcos, caiaques e passeios de barco, com direito a barqueiro (entre R$ 6 e R$ 10). A Aparauá disponibiliza varas de pescar (R$ 1) e iscas (R$ 2).
O que comer: petiscos, lanches e refeições. A oferta de petiscos soma nove opções, que vão da batata frita (R$ 20), à agulha frita (R$ 25 o prato). Do marisco de coco (sem ou com pirão)  -por R$ 25 ou R$ 32 – ao camarão alho e óleo (R$ 58). Há, também, lanches como sanduíches e tapiocas. E refeições: entre moquecas, peixadas, galinha (guizada ou cabidela). Os preços vão de R$ 50 a R$ 80. As porções são generosas. Geralmente um prato dá para duas ou três pessoas. Éramos três em uma mesa, pedimos refeição para dois e ainda sobrou comida.

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *