O lado editor do escritor Sidney Rocha

Natural de Juazeiro do Norte (Ceará), mas radicado há um bom tempo em Pernambuco, o escritor Sidney Rocha já publicou vários livros – entre romances e os de contos – e ostenta duas premiações no currículo, por Destino das Metáforas (Prêmio Jabuti) e Sofia (Prêmio Osman Lins). Mas atua também como editor, e acaba de apresentar o resultado de mais uma empreitada: o Projeto Hexágono, um conjunto de seis revistas, todas lançadas ao mesmo tempo e cada qual abordando a obra de um escritor que nasceu ou viveu em Pernambuco.

As revistas foram lançadas durante a primeira edição do Retábulo Cultural Osman Lins, no auditório da Editora Universitária, na Universidade Federal de Pernambuco, onde ocorreu parte da programação dedicada ao estudo da vida e da obra de Osman, autor de Avalovara, Rainha dos Cárceres da Grécia, Lisbela e o Prisioneiro, entre outros trabalhos. O lançamento das revistas no Retábulo tinha sua razão de ser: pernambucano de Vitória de Santo Antão, Osman Lins é um dos seis escritores selecionados para a    primeira série do Projeto Hexágono.

E quem são os personagens escolhidos? Além de Osman Lins (1924-1978), o Hexágono dedicou as outras cinco revistas da primeira etapa do projeto a Ariano Suassuna (1927-2014), Hermilo Borba Filho (1917-1976), César Leal (1924-2013), João Cabral de Melo Neto (1920-1999) e Luís Jardim (1901-1987). Este último,  para mim, o menos conhecido dos seis.  Mas Sidney já sonha em reeditar a obra de Jardim, que também era artista plástico e cuja vida, marcada por tragédias, daria, um romance. “O Maria Perigosa é imperdível”, me informa Sidney. Ele refere-se ao livro de contos de Jardim, publicado em 1938 pela José Olympio.  Como vocês percebem, nosso amigo tem uma dupla função no mundo das Letras. É que além de escritor (Matriuska, O Destino das Metáforas, a trilogia Geronimo  (todos editados pela Iluminuras), ele atua, também, como editor: são mais de 300 títulos publicados, em suas passagens por editoras públicas e privadas. Entre eles, 61 volumes dedicados à apresentação de pensadores importantes para a educação brasileira ( Coleção Educadores), com mais de 6 milhões de exemplares distribuídos em escolas públicas e bibliotecas do Brasil. Seria, ainda hoje, o maior projeto editorial do Ministério da Educação no Brasil.

No Projeto Héxagono, Sidney volta a exercer a sua veia de editor. E decidiu tomara iniciativa a partir de suas andanças por escolas pernambucanas e por oficinas literárias, dentro do Projeto Outras Palavras. Percebeu que os estudantes não conheciam os escritores pernambucanos, nem mesmo os que o escritor considera como “obrigatórios”. Aí, decidiu agir. As revistas do Projeto Hexágono são destinadas a bibliotecas das escolas públicas estaduais.  Foram impressos 6 mil exemplares (mil para cada escritor escolhido). E o escritor-editor é incansável. Já se prepara para lançar a segunda série do Hexágono. Dessa vez dedicada às mulheres: Clarice Lispector, Maria do Carmo Barreto Campelo, Celina de Holanda, Francisca Izidora Gonçalves da Rocha, Edwiges de Sá Pereira, e Ladjane Bandeira. A produção do Projeto Héxagono é do NósPós, com incentivo do Funcultura. Podem esperar que, em se tratando de Sidney, vem mais novidade por aí.

Leia  também:
Você tem fome de quê? De livros
“Rapaz da portaria” escreve 37 livros
Recife: pontes e “fontes de miséria”
Festival “A Letra e a Voz” se rende a Miró
Clube de leitura: livros com descontos
Alunos  fazem livros sobre 20 bairros
Conversa com Sidney Niceas na Academia
A desconhecida face de Sidney Niceas
“Enterrem meu coração na curva do rio”
Compra de livros sem gastar tostão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Anny Stone/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *