“MeninXs na Rua” foram pelo Rio

A julgar pelas fotos que vi  em redes sociais do grupo  de caminhadas MeninXs na Rua do qual faço parte, já deu para perceber que o passeio do sábado, organizado pelo amigo Agenor Tenório, foi um verdadeiro sucesso. Como foram aqueles sobre o Recife Assombrado e um outro sobre os Velhos Casarões da cidade, o que já dá para perceber que roteiros temáticos e criativos despertam, sempre, maior interesse. Senti muito ter perdido a empreitada do dia 25, pois o percurso foi dividido: a pé e de barco. E os dois servem, como sempre, para mostrar as belezas do nosso Recife, infelizmente tão mal cuidado. Apesar de tudo, resistem a beleza do Capibaribe, das pontes, dos prédios históricos, dos monumentos que se espalham pelos bairros do Centro.

O roteiro incluiu uma boa parte caminhando, saindo do Parque da Jaqueira: Avenida Rosa e Silva, Rua da Hora, Av. Mário Melo, Rua da Aurora. Ou seja, cinco quilômetros até o píer da Aurora,  rua de nome tão poético (tomara que nunca vire Rua Fulano de Tal). Dali, o percurso seguiu de barco, passando pelos casarões e sobrados da própria Aurora, Ponte do Limoeiro, Armazéns de Açúcar, Cais do Porto, Marco Zero, Ponte Giratória, Cais do Imperador, onde terminou o passeio, com parada para um café, um lanche, um bom papo. Nota triste para a nossa Ponte Giratória, que seria atração turística em qualquer parte do mundo. No Recife, infelizmente, ela só é Giratória no nome, pois sucessivas gestões públicas foram, aos poucos, acabando com aquela que era um dos nossos patrimônios, hoje quase um monstro de concreto. Mais uma prova da vocação infelizmente predatória da nossa cidade.

O objetivo do passeio era fazer o circuito dos nossos monumentos, onze ao todo. Infelizmente, dessa vez fiquei de fora. Pois estava – no mesmo horário – em Goiana, fazendo uma trilha por uma reserva de Mata Atlântica, que me proporcionou um maravilhoso contato com a natureza, com os banhos de bica e de rio, com o canto dos pássaros, com a brisa que sopra daqueles lugares onde as árvores ainda são abundantes. Valeu, Agenor. Já estou na lista de espera para um outro passeio, pois vi que tem muita gente que está querendo. Mais de 40 pessoas se inscreveram, mas o número de vagas – por conta dos barcos – era limitado. E o preço terminou sendo bem baratinho: R$ 10 por pessoa, só para custear os honorários dos barqueiros, porque MeninXs na Rua, como muitos outros grupos de caminhadas, não tem fins lucrativos. E seu principal ativo  é a união dos integrantes, a persistência em caminhar e a disposição de melhor conhecer o Recife. Na próxima, se Deus quiser, tou lá! E já deu para perceber que passeios temáticos e criativos – fluviais ou terrestres – são a bola da vez.

Muito bacana, a iniciativa dos MeninXs na Rua, em explorar o Recife pela ótica do Capibaribe e de seus monumentos.

Leia também:
Na rota dos velhos casarões
Pernambuco é meu canto bombou
Na rota de barões, barroco e baobás
Cadê a calçada daqui? OxeRecife
Muito linda, a versão musical da Revolução de 1817
Programa nota 10 só me custou R$ 2
O lado gelado das caminhadas
Música no Palácio bombou hoje

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Neurivânia e Luzivânia Melo/ MeninXs na Rua/ Cortesia

Compartilhe

2 comentários

  1. Estamos planejando a nossa proxima caminhada cujo tema ser Esculturas de
    Abelardo da Hora, um grande artista-escultor do Recife com muitas obras espalhadas pela cidade e que merece todas asnossas homenagens.
    Agenor Tenorio

  2. Leticia, adorei seus comentários sobre o passeio dos Meninxs na rua. Você tem tanta sensibilidade e uma visão tão clara do Recife que parece que você participou do passeio. Abraços amiga e parabéns!

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.